Para Blair, Ira precisa se comprometer com a paz

O ExércitoRepublicano Irlandês (IRA) deve se comprometer com a paz demaneira "real, total e permanente" para que o governo formadopor católicos e protestantes seja novamente restabelecido naIrlanda do Norte (Ulster), declarou nesta quinta-feira oprimeiro-ministro da Grã-Bretanha, Tony Blair. Em um enérgico discurso proferido hoje em Belfast, três diasdepois que Londres dissolveu o governo do Ulster e reassumiu aautoridade plena sobre a província, Blair afirmou que acontinuidade do funcionamento da administração conjunta dependede medidas concretas do IRA e de seu braço político, o SinnFein. A dissolução manteve a coalizão tecnicamente intacta. Ao agirdesta forma, Blair esvaziou os planos do principal partidoprotestante da Irlanda do Norte, o Unionista do Ulster, derenunciar devido a uma série de alegações - inclusive deespionagem - contra o IRA. No entanto, a crise política gerou o temor de que o governomisto, a principal conquista do Acordo de Sexta-Feira Santa,assinado em 1998, nunca mais seja revivido. "Não podemos continuar com o IRA em uma posição meio dentro,meio fora deste processo. Não apenas porque isso não é maiscorreto, mas porque simplesmente não funciona mais", disseBlair a uma audiência especialmente convidada em Belfast."Remova a ameaça de violência e, certamente, o processo de pazestará num caminho desobstruído", afirmou Blair. O premier disse que movimento IRA-Sinn Fein deve "secomprometer com a paz de maneira real, total e permanente". O apelo de Blair ocorre num momento em que surgem evidênciasde que a maioria dos protestantes não apoia mais o Acordo deSexta-Feira Santa, que recebeu o aval de mais de 90% doscatólicos e mais de 50% dos protestantes em um referendorealizado em 1998.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.