Para Blair, Ocidente deve pressionar Irã a estabilizar o OM

O Ocidente deve pressionar o Irã a ajudar a conter o derramamento de sangue no Iraque e a semear a estabilidade no Oriente Médio (OM), afirmou o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, em um pronunciamento sobre política externa nesta segunda-feira, 13. Devido ao fato de a maioria da militância no Iraque vir do exterior, Blair afirmou que uma estratégia que envolva todo o Oriente Médio é necessária para conter a violência iraquiana. A resolução do conflito entre israelenses e palestinos deve ser a estratégia principal para conter a violência em todo o OM, argumentou Blair. Ele acrescentou que, para alcançar a paz na região, serão necessários, também, esforços para estabilizar o Líbano e para unir árabes moderados e muçulmanos. O premier afirmou ainda que o Irã está usando pontos de pressão no OM para dificultar os esforços britânicos e norte-americanos de se chegar à paz. "Eles (o Irã e seus aliados) colocam obstáculos no caminho para a paz e nos pintam (...) como os agressores (...). Eles criam tumultos políticos nas nossas políticas democráticas", afirmou. O Ocidente deve buscar "ajuda a esses pontos de pressão" e exigir que o Irã acabe com seu suporte aos extremistas (como as milícias xiitas no Iraque e membros do Hezbollah no Líbano) e suspenda seu programa de enriquecimento de urânio. "Nesse caso, uma nova parceria será possível." Ou então "eles sofrerão as conseqüências de não o fazerem: o isolamento". O pronunciamento de Blair teve como objetivo promover o diálogo tanto com a Síria como com o Irã, informou seu escritório. Relações internacionais Blair aproveitou a ocasião para rebater as críticas de que as relações muito próximas com os EUA vêm sendo danosas à imagem do Reino Unido. Ele defendeu também o estreitamento das relações com os países membros da União Européia (UE), afirmando que seu país precisa tanto dos EUA quanto da UE para avançar em sua agenda internacional. "Antiamericanos ou antieuropeus não são meramente tolos. Eles são a caminho certo para a destruição de nossos reais interesses nacionais." Prioridades O premier também preparou uma lista de prioridades tanto para os EUA quanto para a Inglaterra para auxiliar o governo e o povo do Iraque. Primeiramente, um forte pacto político do governo iraquiano deve unir todos os partidos com o compromisso de um governo e uma democracia não-sectários. Outra prioridade seria a construção da capacidade governamental do Iraque pela comunidade internacional, visando principalmente a distribuição do dinheiro para a reconstrução do país. E, finalmente, as forças internacionais não deverão poupar esforços (e subsídios) em treinamento e equipamento do Exército iraquiano, assim como deverão auxiliar o Ministério do Interior de Bagdá a acabar com o sectarismo nas forças de polícia do país, concluiu Blair.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.