Para Bush, ONU corre risco de "desaparecer"

O presidente dos EUA, George W. Bush, disse estar otimista que o Conselho de Segurança das Nações Unidas vai tomar medidas para garantir o cumprimento da Resolução 1.441 sobre o Iraque, mas advertiu que, se isso não acontecer, os EUA já não levarão a ONU a sério. ?As nações livres não vão permitir que as Nações Unidas desapareçam na história como uma sociedade de debates ineficaz e irrelevante", disse Bush em discurso a marinheiros na base naval de Mayport (Flórida)."Agora, o organismo multilateral mais importante do mundo está diante de uma decisão. E a coisa é esta para as Nações Unidas: quando você diz alguma coisa, isso não significa nada? Você tem de decidir se vai aprovar uma resolução que signifique alguma coisa?, disse. E continuou: ?Estou otimista que o Conselho de Segurança da ONU vai se colocar à altura de suas responsabilidades e, desta vez, assegurar o cumprimento do que ele mandou Saddam Hussein fazer?. "Estou otimista que as nações livres vão mostrar firmeza e coragem em face da ameaça verdadeira à paz e à liberdade", acrescentou. O presidente também afirmou que os militares norte-americanos estão diante de "grandes tarefas" e prometeu que as tropas do país não estarão agindo sozinhas. Ele acrescentou que todos os países-membros do Conselho de Cooperação do Golfo Pérsico prometerem fornecer tropas para ajudar a defender o Kuwait.Leia também: Por que o petróleo é a causa da guerraA guerra, o petróleo e a economia mundialEUA e Grã-Bretanha pressionam por guerraNa Itália, Aziz compara Bush a Hitler

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.