Para Casa Branca, acusações são infundadas e falsas

Na mais recente rodada de acusações, o governo venezuelano declarou na quarta-feira que o embaixador americano na Colômbia estava envolvido num complô para assassinar o presidente Nicolás Maduro, mas não ofereceu provas convincentes.

CENÁRIO: William Neuman* / NYT, O Estado de S. Paulo

29 Maio 2014 | 23h42

A acusação foi feita no momento em que Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei dispondo que a Casa Branca ordene o congelamento de ativos nos EUA das autoridades venezuelanas responsáveis por abusos de direitos humanos quando o governo reprimiu as manifestações de protesto que duraram semanas no país.

O Departamento de Estado americano qualificou estas recentes acusações de "infundadas e falsas". "Observamos muitas vezes que o governo venezuelano procura desviar a atenção dos seus atos acusando os EUA", declarou o Departamento de Estado em comunicado.

Em Caracas, um grupo de funcionários do alto escalão do governo Maduro fez um pronunciamento à imprensa coberta pela TV no Teatro Nacional, quando as autoridades disseram ter prova de que líderes da oposição estavam tramando o assassinato do presidente.

Mas o material apresentado como prova foram apenas e-mails trocados entre membros da oposição com queixas vagas ou genéricas contra o governo ou apelos a uma ação, incluindo um que fazia menção ao novo embaixador americano na Colômbia, Kevin Whitaker.

Jorge Rodríguez, membro do alto comando político do governo, não disse quando ou como o complô foi descoberto.

/ Tradução de Terezinha Martino

*William Neuman é correspondente do NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.