Para Chávez, ´há mais liberdade do que nunca´ na Venezuela

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse nesta quarta-feira que ri quando é acusado de "ditador" e afirmou que sob seu governo o país desfruta como "nunca antes" das liberdades de imprensa e expressão. "Quando me chamam de ´ditador´, eu rio. Eu, ditador? Aqui nunca antes houve mais liberdade de imprensa e de expressão que hoje. Nunca houve tanta participação política", afirmou Chávez ao lançar um programa oficial de educação superior. Chávez citou como exemplo de "verdadeira ditadura" na Venezuela o governo do general Marcos Pérez Jiménez (1952-1958), que "eliminou os partidos políticos e a liberdade de expressão". A oposição venezuelana acusa o governante esquerdista de "autoritário" e de pretender instaurar no país um sistema comunista. O candidato presidencial de oposição, Manuel Rosales, principal adversário de Chávez nas eleições de dezembro, afirmou também nesta quarta-feira à imprensa estrangeira que o governante é um "plágio ruim" do líder cubano, Fidel Castro. A maioria das pesquisas dá a Chávez a preferência do eleitorado, com 40 a 62% das intenções de voto, enquanto Rosales, aparece com 15 a 41%. No seu discurso, entre referências históricas, Chávez insistiu que a "visão de igualdade, justiça e solidariedade" que o mundo tem de seu governo "enfrenta a alternativa de retornar ao caminho da desigualdade, injustiça e atropelo" do capitalismo. "Nosso caminho, o que já começamos a trilhar, é o socialismo do século XXI", sustentou.Este texto foi alterado no dia 29 de novembro para a correção de erros cometidos pela redação

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.