Para chileno, Unasul não pode ser palco para radicalismo

O chanceler chileno Alejandro Foxley chegou hoje ao Palácio de la Moneda para a reunião da União das Nações Sul-americanas (Unasul) e descartou a possibilidade de que o encontro se torne palco para o protagonismo de posições radicais e intervencionistas, referindo-se aparentemente às últimas declarações do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. "Aqui temos de ser muito claros", disse. "A Bolívia tem o direto de resolver seus problemas por ela mesma. O que queremos é criar espaço para o diálogo. Espero que aqui prevaleça a sensatez", afirmou. Foxley não descartou a hipótese de que uma comissão da Unasul, que poderia ser integrada pela presidente chilena, Michelle Bachelet, acompanhe a visita que o secretário geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, fará na quarta-feira à Bolívia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.