AFP PHOTO / AMER ALMOHIBANY
AFP PHOTO / AMER ALMOHIBANY

Para Comissão de Inquérito da ONU, ofensivas russas na Síria são possíveis crimes de guerra

Esta é a primeira vez que uma investigação liderada pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro denuncia especificamente o governo de Vladimir Putin

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 10h56

GENEBRA - A Comissão de Inquérito da ONU sobre a Síria acusou os bombardeios promovidos pelas forças aéreas da Rússia de terem sido responsáveis pelo deslocamento de milhares de pessoas dentro do país. A investigação, conduzida pelo brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, ainda aponta as ofensivas russas como possíveis crimes de guerra.

+ Comissão da ONU diz que cerco a reduto rebelde sírio é crime de guerra

+ Bombardeios do governo sírio impedem chegada de ajuda humanitária em Ghouta Oriental

Um dos principais incidentes foi registrado no dia 13 de novembro. “Forças aéreas russas conduziram ataques aéreos em áreas densamente habitadas em Atareb (Aleppo), matando 84 pessoas e ferindo outras 150”, diz a investigação. “Ao usar mísseis não guiados, o ataque atingiu um mercado, uma delegacia de polícia, lojas e restaurantes, e pode ser um crime de guerra”, destacou Pinheiro. Segundo ele, essa conclusão foi resultado de uma análise feita a partir de entrevistas e imagens.  

+ ONU diz que combates continuam em Ghouta Oriental apesar de trégua declarada pela Rússia

A apuração indica que os jatos russos deixaram a base de Humaymim às 13h37 (locais) daquele dia, e chegariam ao local dos ataques às 14h07. “As pessoas entrevistadas, incluindo donos de lojas e moradores locais, disseram que não existiam grupos armados em Atarib”, segundo o inquérito. Outros ataques contra hospitais e população civil também foram registrados por parte dos russos.

Questionado pelo Estado se o Kremlin teria respondido às acusações, Pinheiro explicou que o diálogo entre sua comissão e o governo é "sigiloso". “Esta é a primeira vez que pudemos chegar a uma conclusão com precisão sobre um possível crime de guerra”, disse Hanny Megally, um dos investigadores da Comissão de Inquérito. Aliado do governo de Bashar Assad, o Kremlin tem sido fundamental para o avanço do regime de Damasco.

A coalizão internacional também é acusada de não ter tomado medidas de cautela antes de lançar algumas ofensivas. Em uma delas, ataques americanos a uma escola resultaram em mais de 150 mortos em 2017. O argumento inicial era de que existiam soldados do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no local, o que acabou não sendo verdade.

Megally disse que se o ataque for considerado deliberado, se configurará em um crime de guerra. “Mas, como não houve a intenção, a questão é saber onde está a falha nas informações. Estamos pressionando para que haja uma investigação”, insistiu. “Não havia a intenção de um ataque contra civis. Mas havia tempo e recursos para tomar medidas de cautela”, insistiu Pinheiro, que descarta, neste caso, um crime de guerra.

Impacto

De uma maneira geral, entretanto, o inquérito aponta que as operações da coalizão internacional contra o EI têm desencadeado um amplo sofrimento da população local.

“Ainda que as ofensivas para derrotar o Estado Islâmico em Raqqa e Deir es-Zor pareçam ter tido sucesso em deslocar os grupos terroristas, as batalhas vêm com um elevado custo para os civis”, disse Pinheiro.

“Antes mesmo da campanha em Raqqa, a coalizão fracassou em tomar medidas para proteger civis, em violação às leis internacionais, quando lançou ataques em Mansoura, que mataram pelo menos 150 pessoas, incluindo mulheres e crianças”, apontou ele. “Presos em uma cidade sob cerco, residentes de Raqqa foram depois usados pelo Estado Islâmico como escudos humanos.”

Pinheiro afirmou que “operações para derrotar o EI criaram uma das maiores ondas de deslocamentos de populações desde o início do conflito”. “Milhares de homens, mulheres e crianças fugiram de Raqqa e Deir es-Zor, apenas para ser realocados em acampamentos no norte da Síria."

Mais de 80 mil pessoas têm sido mantidas em centros de confinamento para evitar que tenham conexões com o EI. “Um internamento às cegas da população de Raqqa e Deir es-Zor não pode se justificar”, disse Karen AbuZayd, investigadora da ONU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.