Para dissidência, violação ao direito de ir e vir segue em vigor

"É preciso que as coisas mudem de lugar para que permaneçam onde estão." Com essa frase, escrita pelo italiano Giuseppe Tomasi di Lampedusa nos anos 50 no romance histórico O Leopardo, Elizardo Sánchez, dissidente do regime castrista que preside a Comissão Cubana de Direitos Humanos e Reconciliação Nacional, resumiu ao Estado a opinião mais comum entre os opositores do governo de Havana sobre as alterações na Lei de Migração do país.

O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2012 | 03h02

"As mudanças são muito limitadas. A violação ao direito de ir e vir dos cubanos vai se manter. Milhares de cidadãos, sejam dissidentes ou profissionais altamente especializados, continuarão com uma liberdade fundamental restringida. Isso não se trata de uma reforma, mas de uma mudança administrativa", disse.

Na opinião do ativista, o governo cubano busca apenas "um impacto midiático, para que a comunidade internacional acredite que está fazendo mudanças" no país. "Quem consegue pagar seis ou oito meses de salário por um passaporte?", questionou, afirmando que, no começo do dia, ao saber da alteração legislativa, muitos cubanos tiveram a expectativa de que a saída do país lhes tivesse sido facilitada.

Um deles foi a blogueira e colunista do Estado Yoani Sánchez, que já teve pedidos para deixar o país negados por 20 vezes. Seu marido, Reinaldo Escobar, disse que ela foi ao Escritório de Migração conferir se realmente poderia viajar para o exterior em janeiro. Após a visita, a jornalista independente tuitava sua decepção. "Já existem até piadas sobre a nova lei migratória."

"O cubano que levanta a voz contra o regime vai continuar sem poder sair. Quando formos pedir o passaporte necessitaremos de autorização para isso e continuaremos precisando ser autorizados a deixar nosso próprio país. Aqui não há abertura, não há reformas", disse a opositora Berta Soler, presidente do grupo dissidente Damas de Branco.

Na opinião do opositor Guillermo Fariñas, por limitar a 24 meses o tempo de permanência dos cubanos no exterior, o governo "continua sendo um violador dos direitos humanos". "Isso é prepotência. Raúl cuida do país como se fosse seu quartel particular. O que ele quer (com a nova lei) é evitar uma convulsão social, aliviar essa pressão para preservar seu poder." / G.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.