Para embaixadora americana, Khadafi não tem mais condições de governar

Susan Rice afirmou que o líder líbio está desconectado da realidade.

BBC Brasil, BBC

28 de fevereiro de 2011 | 23h54

Para Rice, Khadafi está desconectado da realidade

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Susan Rice, disse nesta sexta-feira que o líder líbio Muamar Khadafi está delirando e

Segundo Rice, o fato de ele conseguir rir durante uma entrevista enquanto ele "massacrava seu próprio povo".

A embaixadora fazia referência à entrevista que Khadafi havia concedido, horas antes, ao jornalista da BBC Jeremy Bowen e a Christiane Amanpour, da rede ABC.

Durante a conversa, o líder líbio disse que era amado por seu povo e refutou a afirmação de que havia protestos antigoverno. Ele também riu quando questionado se deixará o poder.

"O fato de ele conseguir rir ao conversar com jornalistas internacionais enquanto ele massacra seu próprio povo apenas deixa mais claro como ele não está apto para liderar e mostra como ele está desconectado da sociedade," afirmou Rice.

"Isso torna ainda mais importante os passos urgentes que tomamos na semana passada, domesticamente e na ONU. E vamos continuar a manter a pressão."

Bens congelados

A embaixadora ressaltou o fato de o Departamento do Tesouro americano ter bloqueado bens de Khadafi e de sua família, no valor de US$ 30 milhões.

O sub-secretário do Tesouro para terrorismo, David Cohen, afirmou que a quantia fio a maior já bloqueada pelo órgão. A ordem de congelar os bens havia sido assinada pelo presidente Barack Obama na sexta-feira, em resposta à violenta repressão aos protestos.

De acordo com o correspondente da BBC em Washington Andrew North, agora que a maioria dos americanos foi retirada da Líbia, o governo Obama está intensificando a pressão contra Khadafi.

Outro sinal de mudança de postura seria, segundo North, o reposicionamento das forças americanas na região da líbia, anunciada nesta segunda-feira pelo Pentágono.

Os EUA têm presença militar extensa na região, com bases principalmente no sul da Itália.

Segundo o Pentágono, o reposicionamento "traz mais flexibilidade no momento em que decisões forem tomadas".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.