Para empresas aéreas, drama de 100 mil turistas acaba na segunda

Quantidade de cinzas expelidas pelo vulcão islandês está diminuindo, de acordo com cientistas

Agência Estado e Associated Press,

25 de abril de 2010 | 20h42

Cinzas do vulcão Eyjafjallajokull se espalham pelo céu da Islândia em 23 de abril

 

A maioria dos turistas prejudicada pelo caos aéreo provocado pelas cinzas vulcânicas na Europa estará em casa até esta segunda-feira, 26, embora milhares ainda possam ficar sem viajar por mais uma semana, informaram companhias aéreas e autoridades de governo.

 

O diretor executivo da empresa britânica ABTA, Mark Tanzer, que representa agentes de viagem e operadores de turismo, disse que cerca de 100 mil viajantes deverão retornar até amanhã de manhã. Outros 35 mil permanecerão retidos até sexta-feira.

"Embora a maioria dos voos tenha voltado ao normal, ainda haverá um alto nível de interrupção nas viagens para alguns destinos", disse.

 

Companhias aéreas informaram que cerca de 2 mil belgas estão retidos, principalmente no Egito e na Tunísia, enquanto 3 mil franceses estão dispersos em vários destinos.

 

A Austrian Airlines informou que os passageiros austríacos presos na Tailândia devem voltar para casa no próximo domingo. Alemães e suíços têm poucos problemas nesse sentido.

A interrupção das viagens foi provocada há uma semana por cinzas emitidas no ar pelo vulcão Eyjafjallajokull, localizado na Islândia. Cerca de 100 mil voos da Europa foram cancelados e a aviação civil local atingiu sua pior situação desde a Segunda Guerra Mundial.

 

Muitos aeroportos na Islândia ainda estão fechados e embora autoridades afirmem que o Eyjafjallajokull está produzindo bem menos cinzas, elas confirmaram que não há sinais de que a erupção irá acabar.

 

Mais de cem pessoas se juntaram à Cruz Vermelha islandesa e outras agências durante o fim de semana para ajudar a retirar as cinzas de fazendas e casas próximas ao vulcão, de acordo com a Agência de Proteção Civil do país.

 

A agência afirmou que cientistas fizeram voos sobre o local da erupção no sábado como parte de um trabalho para monitorar a atividade do Eyjafjallajokull.

 

"A quantidade de cinzas está reduzindo lentamente", disse a entidade por meio de um comunicado, mas acrescentou que "não há indicações de que a erupção irá acabar".

 

Especialistas afirmaram neste fim de semana que é improvável que o vulcão cause mais interrupções de voos no espaço aéreo europeu no presente momento, já que a quantidade de cinzas é muito pequena para atingir os motores dos aviões, e porque os ventos mudaram de direção.

Tudo o que sabemos sobre:
Europavulcãovoosaéreas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.