Zack Wittman/The New York Times
Zack Wittman/The New York Times

Para enfrentar mudanças climáticas, Miami pode ganhar paredão de 6 metros de altura

A área metropolitana dos Estados Unidos que talvez esteja mais exposta ao aumento do nível do mar enfrenta uma magnitude de obstáculos interconectados

Patricia Mazzei / The New York Times, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2021 | 14h00

MIAMI - Três anos atrás, não muito depois que o furacão Irma deixou partes de Miami submersas, o governo federal embarcou em um estudo para encontrar uma maneira de proteger a vulnerável costa do sul da Flórida de uma tempestade mortal e destrutiva. Ninguém está gostando da resposta.

A proposta do Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA, em seu primeiro esboço do estudo, é construir um muro, o que está agora em revisão. Segundo o projeto, 9,6 quilômetros do muro, na verdade, seriam erguidos paralelamente à costa, pelos bairros - exceto por um trecho de 1,6 km bem na Baía de Biscayne, passando pelos cintilantes céus de Brickell, o distrito financeiro da cidade.

A dramática proposta de US$ 6 bilhões está parada. Mas a surpreendente sugestão de um enorme paredão de até 6 metros de altura cortando a bela baía de Biscayne foi o suficiente para chamar a atenção de alguns moradores da cidade. As escolhas difíceis que serão necessárias para lidar com os muitos desafios ambientais da cidade já são conhecidas e poucas pessoas querem enfrentá-las.

“Você precisa conversar sobre, culturalmente, quais são as nossas prioridades?” disse Benjamin Kirtman, professor de ciências atmosféricas na Universidade de Miami. “Onde queremos investir? Onde isso faz sentido? Essas são as que chamo de questões geracionais”, acrescentou. “E há uma enorme relutância em entrar nessa discussão.”

Em Miami, a área metropolitana dos Estados Unidos que talvez esteja mais exposta ao aumento do nível do mar, o problema não é a negação da mudança climática. Não quando a temporada de furacões, que começa esta semana, retorna a cada ano com tempestades mais intensas e frequentes. Não quando encontrar seguro contra inundações se tornou cada vez mais difícil e inacessível. Não quando as noites ficam tão quentes que sair de casa com um suéter para se proteger do frio se tornou coisa do passado.

O problema é que a magnitude dos obstáculos interconectados que a região enfrenta pode parecer esmagadora e nenhuma das soluções possíveis é barata, fácil ou bonita.

Para seu estudo, o Corpo de Engenheiros se concentrou na onda de tempestades - a elevação dos mares que muitas vezes inundam a costa durante as tempestades - piorada recentemente por furacões mais fortes e níveis do mar mais elevados. Mas essa é apenas uma preocupação.

O sul da Flórida, plano e baixo, fica sobre calcário poroso, o que permite que o oceano se expanda através do solo. Mesmo quando não há tempestade, a elevação do mar contribui para enchentes mais significativas, onde as ruas se enchem de água mesmo em dias de sol. 

A expansão da água salgada ameaça estragar o aquífero subterrâneo que abastece a água potável da região e rachar canos de esgoto e fossas sépticas envelhecidas. Ele deixa menos espaço para a terra absorver o líquido, então as enchentes duram mais tempo, seu escoamento polui a baía e mata peixes.

E isso é apenas o aumento do nível do mar. As temperaturas ficaram tão sufocantes nos últimos verões que o Condado de Miami-Dade nomeou um novo "diretor de aquecimento" provisório.

“O que você percebe é que cada um desses problemas, que se cruzam totalmente, são tratados por diferentes partes do governo”, disse Amy Clement, professora de ciências atmosféricas na Universidade de Miami e presidente da cadeira de resiliência climática da cidade de Miami. “Está dividido de maneiras que tornam as coisas muito, muito difíceis de seguir em frente. E o resultado final é que é muito mais dinheiro do que qualquer governo local tem para gastar.”

Ambientalistas e incorporadores

O Estado pode ajudar, até certo ponto. Os legisladores republicanos, que controlaram a legislatura da Flórida por mais de 20 anos, reconheceram no fim de 2019 que haviam ignorado a mudança climática por tanto tempo que o Estado havia perdido uma década. 

Eles começaram a tomar medidas para financiar soluções, direcionando mais de US$ 200 milhões em impostos, arrecadados em transações imobiliárias, para a elevação do nível do mar e projetos de esgoto. Os legisladores também designaram US$ 500 milhões em dinheiro de estímulo federal para o fundo.

O preço de tudo o que precisa ser feito, entretanto, está na casa dos bilhões. A estimativa para o Condado de Miami-Dade isolar gradualmente cerca de 120 mil fossas sépticas é de cerca de US$ 4 bilhões, e isso não inclui os milhares de dólares que cada proprietário também teria de pagar.

Ninguém quer recusar um centavo a Washington, mas a proposta de um enorme paredão ao longo de um dos trechos mais pitorescos de Miami produziu um raro momento de acordo entre ambientalistas e incorporadores imobiliários, que temem danos à delicada ecologia da baía e valores de propriedade.

Outras partes do esboço do plano do Corpo, que inclui barreiras anti-ondas na foz do Rio Miami e vários outros cursos de água, são mais atraentes: fortificar estações de esgoto, estações de bombeiros e delegacias de polícia para resistir a um esmagamento da água do mar, elevar ou proteger milhares de empresas e residências, plantar alguns manguezais, que podem fornecer uma linha de frente na defesa contra inundações e erosão. 

O Condado de Miami-Dade quer que todas essas alternativas tenham prioridade; um esboço final do plano deve ser entregue no segundo semestre. 

Infraestrutura verde

Os pontos de discórdia permanecem. Entre as casas propostas para serem elevadas com o dinheiro do contribuinte estão mansões multimilionárias à beira-mar - o que seria resultado do projeto do Corpo de Engenheiros para proteger com eficiência o máximo possível de vidas e propriedades, o que os críticos dizem que inevitavelmente leva a mais proteção para os ricos, cujas propriedades valem mais.

E então existem os muros. Os paredes internos - alguns bem pequenos, mas outros com até 4 metros de altura - dividiriam os bairros, deixando as casas voltadas para o mar com menos proteção. O paredão ao longo da Baía de Biscayne, que pode atingir 6 metros e ser tão formidável quanto as barreiras de som ao longo da rodovia Interestadual 95, reverterá décadas de políticas destinadas a evitar a dragagem e enchimento da baía.

Quando os governos locais perguntaram ao público como gostariam de lidar com as mudanças climáticas, os residentes preferiram de longe o que é conhecido como infraestrutura verde: proteção costeira em camadas de uma mistura de dunas, ervas marinhas, recifes de coral e manguezais, disse Zelalem Adefris, vice-presidente para políticas e defesa na Catalyst Miami, que trabalha com comunidades de baixa renda no condado.

“O plano do Corpo de Exército parece tão diferente”, disse ela. “Parecia realmente incongruente com as conversas que estão ocorrendo localmente.”

Oficiais do Corpo, no entanto, dizem - gentilmente - que não veem como contornar o que chamam de elementos estruturais. A ameaça de tempestade para o condado de Miami-Dade é muito grave.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.