Alexander Zemlianichenko/AP
Alexander Zemlianichenko/AP

Para Entender: Novichok, a temida arma química russa

Sua concepção por cientistas soviéticos remonta aos anos 70 e 80, coincidindo com as últimas décadas da Guerra Fria 

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2020 | 18h41

PARIS - O Novichok, que serviu para envenenar o opositor russo Alexei Navalni segundo o governo alemão, é um grupo de agentes nervosos russos altamente perigosos, vetado no ano passado pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq). Nos últimos dias, Moscou alegou "não ter nenhuma prova" de envenenamento por Navalni. 

Sua concepção por cientistas soviéticos remonta aos anos 70 e 80, coincidindo com as últimas décadas da Guerra Fria

O Novichok já havia sido usado em 2018 para envenenar o ex-espião Serguei Skripal e sua filha Yulia em Salisbury (Inglaterra). O Kremlin na época negou a responsabilidade e o caso desencadeou uma crise diplomática. 

Como o famoso Sarin ou VX, o Novichok pertence à família dos agentes nervosos, armas químicas que atuam neste sistema do organismo. 

Essas substâncias atacam uma enzima chamada acetilcolinesterase, cujo papel é fundamental porque destrói a acetilcolina, molécula que atua na contração dos músculos. 

Quando o agente nervoso bloqueia essa enzima, a acetilcolina se acumula, afetando o sistema nervoso: os músculos ficam descontrolados, causando espasmos e podem levar à morte por asfixia. 

Os agentes Novichok são "agentes binários": "as substâncias que os compõem são transportadas separadamente e misturadas para ativar o veneno. É extremamente tóxico", explicou Richard Parsons, especialista em toxicologia do King's College London, citado pela Agência britânica Science Media Center.

Esses venenos podem ser administrados "penetrando-os pela pele, por inalação e por ingestão", de acordo com o especialista da Universidade de Nottingham, Wayner Carter, citado pelo mesmo centro. 

Em novembro passado, a Opaq incluiu Novichok em sua lista de substâncias proibidas, por decisão de seus 193 Estados-membros. Foi a primeira atualização da Convenção sobre a Proibição de Armas Químicas desde sua entrada em vigor em 1997.

Descontaminação

Para combater os efeitos dos agentes nervosos, o procedimento médico clássico consiste em estabilizar as funções vitais do corpo (respiração, frequência cardíaca). 

Paralelamente, a atropina deve ser administrada ao paciente para bloquear os receptores de acetilcolina e evitar seu acúmulo no sistema nervoso. 

Se o tratamento funcionar, o corpo elimina a substância tóxica e produz a enzima novamente. Mas, mesmo que sobreviva, o paciente envenenado pode sofrer sequelas. 

Em 2018, Skripal e sua filha sobreviveram após um tratamento médico intenso. Já uma moradora da região morreu após borrifar-se com o conteúdo de um frasco encontrado por seu companheiro que acreditou se tratar de um perfume. De acordo com os investigadores, o frasco foi usado para transportar o Novichok da Rússia. 

O companheiro da vítima sobreviveu depois de ficar internado por várias semanas. "É importante determinar quando e onde o veneno foi administrado, para garantir que o agente tóxico não esteja mais presente onde foi espalhado", alerta Carter. 

Em Salisbury, o trabalho de descontaminação terminou no início de 2019, quase um ano depois que Skripal foi envenenado. A casa do ex-espião russo foi um dos 12 lugares que foram completamente limpos.

A existência do Novichok foi revelada na década de 90 pelo químico russo Vil Mirzaianov. Depois de trabalhar por quase 30 anos para o Instituto Estadual de Pesquisa de Química e Tecnologias Orgânicas, ele foi para o exílio nos Estados Unidos em 1995. 

"Somente os russos" desenvolveram esse tipo de agente nervoso, assegurou o químico em março de 2018, durante o caso Skripal. "Eles sempre mantiveram isso em segredo e continuam a fazer isso"./AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.