Para Entender: O que esperar de um governo de maioria conservadora 

Para Entender: O que esperar de um governo de maioria conservadora 

Conheça algumas das mudanças esperadas de um governo de maioria conservadora

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de dezembro de 2019 | 06h00

LONDRES - Saiba quais são as prováveis mudanças esperadas em um governo de maioria conservadora: 

Brexit em 31 de janeiro

Boris Johnson prometeu levar de volta ao Parlamento britânico a legislação necessária para ratificar o acordo de saída da União Europeia fechado com Bruxelas e garantir sua aprovação antes do fim de janeiro. Todos os candidatos do Partido Conservador apoiaram o acordo, então é esperado que a legislação passe facilmente no Parlamento pelo fato de as legendas de oposição não terem cadeiras suficientes para vetá-la ou fazer mudanças.

Sem extensão na transição

Após 31 de janeiro o Reino Unido entrará em um período de transição durante o qual terá de negociar um novo relacionamento com os 27 países-membros da União Europeia. A negociação pode demorar até o final de dezembro de 2022, segundo as regras atuais, mas os conservadores fizeram uma campanha eleitoral prometendo não estender o período de transição para depois de 2020, um prazo que os especialistas em comércio dizem ser pouco realista e poderia levar o Reino Unido a enfrentar uma saída desordenada da UE.

Orçamento em fevereiro

O Partido Conservador prometeu um orçamento pós-Brexit em fevereiro, ampliando os gastos com questões domésticas como o serviço de saúde, educação e segurança. 

Imigração

Os conservadores planejam adotar um sistema de imigração com contagem de pontos, ao estilo australiano, com o objetivo de reduzir a entrada de estrangeiros no país, principalmente os pouco qualificados. A regra, que vai também afetar cidadãos da União Europeia, é só permitir o acesso ao Reino Unido de quem já tenha uma oferta de emprego.

Investimento estatal

O ministro das Finanças, Sajid Javid, promete mudar dispositivos fiscais vigentes hoje para permitir que ele possa gastar £ 20 bilhões ao ano, nos próximos cinco anos, em obras de infraestrutura.

Comércio exterior

Boris Johnson pretende, dentro de três anos, fechar 80% dos contratos de exportação em acordos de livre-comércio. O líder conservador planeja priorizar negócios já firmados com Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia e Japão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.