AFP PHOTO/KCNA VIA KNS
AFP PHOTO/KCNA VIA KNS

Para entender: O que significa o anúncio do fim dos testes nucleares da Coreia do Norte

Decisão pode abrir uma etapa no longo processo de desnuclearização da península, mas não significa que o país renunciará a suas ambições nucleares

O Estado de S.Paulo

21 Abril 2018 | 19h49

SEUL - O fim dos testes nucleares anunciado pela Coreia do Norte pode abrir uma etapa no longo processo de desnuclearização da península, mas não significa que Pyongyang renunciará a suas ambições nucleares. Entenda melhor a questão abaixo.

+ Ocidente suspeita da diplomacia de Kim

+ A liderança dos EUA na Ásia pode sobreviver ao governo Trump

Kim Jong-un abandonará o arsenal nuclear?

+ Suspensão de testes nucleares por Pyongyang é 'avanço significativo', diz Coreia do Sul

+ Kim Jong-un cede em exigências para se desarmar, diz Seul

O dirigente norte-coreano falou claramente que a arma atômica era a "firme garantia de que nossos descendentes poderão desfrutar de uma vida mais digna e feliz possível". Pyongyang se reserva o direito de usá-la em caso de "ameaças ou provocações nucleares" contra o país.

"Não vejo em que a declaração norte-coreana constitui um passo para a desnuclearização", destaca Christopher Green, do centro de análise de conflitos International Crisis Group. "Trata-se mais de uma moratória dos testes.”

Em que momento o anúncio é feito?

O anúncio foi feito a menos de uma semana de uma cúpula entre as Coreias e antes de uma possível reunião histórica entre Kim e o presidente dos EUA, Donald Trump, no início de junho. Além disso, aconteceu depois da participação da Coreia do Norte nos Jogos Olímpicos de Pyeongchang na Coreia do Sul, que originou uma aproximação entre elas.

Kim anunciou em novembro que a Coreia do Norte era uma potência nuclear. O país acredita que os progressos tecnológicos obtidos em 2017 o situam em uma posição de força para negociar. Mas os analistas afirmam que Kim também ficou impressionado com a retórica belicosa de Trump, e que as sanções econômicas têm um impacto cada vez maior na economia do país.

O anúncio do fim dos testes nucleares, exigido há tempos por Washington, será percebido como um sinal de confiança. "A Coreia do Norte deseja que a cúpula se celebre e, se fracassar, mostrará que pode ser razoável", afirmou Jon Wolfsthal, diretor do Nuclear Crisis Group.

É possível um acordo?

Donald Trump alertou na semana passada que cancelaria a cúpula com Kim se ela não se fosse frutífera. Se houver acordo, em compensação, é muito difícil imaginar como será e as garantias que terá.

O que significa o fechamento de Punggye-ri?

Os testes nucleares norte-coreanos foram realizados - todos menos um - no sítio nuclear de testes de Punggye-ri, nordeste do país, sob o monte Mantap. Mas seu anunciado fechamento não exclui a utilização de outros locais, nem mesmo dos ensaios na atmosfera, explica Vipin Narang, um especialista do MIT.

Ainda assim, a intenção de "garantir de forma transparente" o fim dos testes é significativa, segundo David Albright, especialista do Institute for Science and International Security. "A transparência, se for sincera, é uma concessão determinante."

Você sabe qual é o poder militar da Coreia do Norte?

Qual o estado do arsenal norte-coreano?

Os especialistas consideram a energia gerada no último teste nuclear norte-coreano, em setembro de 2017, em 250 quilotons, ou seja, 16 vezes a bomba que destruiu Hiroshima em 1945. Em 2016, Seul considerava que seu vizinho do norte tinha plutônio suficiente para fabricar dez bombas atômicas.

Mas ainda são muitas as interrogações sobre a capacidade do regime norte-coreano no que se refere à identificação de alvos, à miniaturização das ogivas nucleares e ao reingresso na atmosfera dos mísseis, três assuntos que a Coreia do Norte garante que controla. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.