Para EUA, Brasil oculta prisão de terroristas, revela WikiLeaks

Relatório de embaixador aponta que supostos terroristas eram presos sob outras acusações

Agência Estado

29 de novembro de 2010 | 11h35

SÃO PAULO - Documentos diplomáticos secretos dos EUA divulgados no domingo, 28, pelo site WikiLeaks, revelam que as autoridades brasileiras prenderam "vários indivíduos engajados em supostas atividades de financiamento do terrorismo", mas basearam sua detenção em acusações diferentes para "não chamar a atenção da mídia e dos altos níveis governamentais".

 

Veja também:

linkWikiLeaks revela segredos da diplomacia americana

linkOs líderes mundiais sob o olhar dos diplomatas americanos

 

As informações estão contidas em um relatório enviado pelo então embaixador da missão americana no Brasil, Clifford Sobel, às autoridades americanas em 8 de janeiro de 2008 referente à política brasileira em relação ao combate ao terrorismo.

 

Os relatórios são parte dos mais de 250 mil documentos vazados pelo WikiLeaks e publicados no domingo pelos jornais The New York Times (EUA), The Guardian (Reino Unido), Le Monde (França), El País (Espanha) e pela revista Der Spiegel (Alemanha). O material se refere a informações diplomáticas obtidas desde a década de 1960 até fevereiro deste ano.

 

No despacho, o embaixador afirma que o governo do Brasil é "um parceiro cooperativo" contra atividades terroristas, apesar de não gostar de tornar o assunto público. Segundo o documento, o Brasil colabora e inclusive "prende com frequência indivíduos ligados ao terrorismo".

 

Por outro lado, o despacho afirma que o tema é tratado com cuidado no País, em parte, pelo "medo de estigmatizar a grande comunidade muçulmana no Brasil", ou de "prejudicar a imagem da área como um destino turístico". O texto afirma que a postura pública brasileira busca "evitar parecer com o que é visto como uma política agressiva dos EUA de guerra ao terrorismo".

 

O despacho relativo ao Brasil, de janeiro de 2008, afirma que os mais altos órgãos do governo brasileiro, "particularmente o Ministério das Relações Exteriores", são "extremamente sensíveis a quaisquer alegações de que terroristas tenham uma presença no País - seja para levantar fundos, arranjar logísticas ou mesmo transitar pelo território - e irão rejeitar vigorosamente quaisquer declarações" nesse sentido sobre o tema.

 

Apesar das prisões citadas, o documento assinado pelo embaixador lembra que, em geral, os suspeitos são acusados em vários quesitos, não relacionados ao terrorismo, para "evitar chamar a atenção da mídia e dos níveis mais altos do governo". O documento cita especificamente a Polícia Federal, afirmando que ela prendeu no ano anterior (2007) vários suspeitos de financiar o terror, mas estes foram acusados por vínculos com o narcotráfico, entre outros. O documento afirma que também a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) "monitora as atividades desses supostos extremistas".

 

O despacho ainda nota que a área que mais domina a cobertura jornalística nacional sobre a suposta presença de extremistas é a Tríplice Fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai. Apesar disso, o texto afirma que "a principal preocupação de contraterrorismo, tanto para funcionários brasileiros quanto para a missão dos EUA no Brasil, é a presença de atividades de indivíduos com vínculos com o terrorismo - particularmente vários suspeitos extremistas sunitas e alguns indivíduos ligados ao Hezbollah - em São Paulo e outras áreas do sul do Brasil".

 

O WikiLeaks é um site que se dedica a revelar documentos militares secretos dos EUA e de outros países. Neste ano, o site divulgou cerca de 400 mil documentos secretos sobre a guerra do Iraque. Antes disso, o WikiLeaks já havia divulgado 90 mil relatórios confidenciais sobre abusos cometidos no Afeganistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.