AP
AP

Para EUA, 'janela está se fechando' para a paz na Síria

Espanha também considera o regime sírio uma ameaça à paz

estadão.com.br,

18 de julho de 2012 | 16h19

WASHINGTON - A Casa Branca informou nesta quarta-feira, 18, que a "janela está se fechando" em busca de uma solução pacífica para a violência na Síria e que não tinha conhecimento do paradeiro do presidente sírio, Bashar Assad, após o ataque que matou três de seus principais aliados militares. "A janela está se fechando, precisamos agir de uma forma unificada para ajudar na transição que o povo sírio tanto merece", disse o porta-voz da Casa Branca Jay Carney em entrevista coletiva.

Veja também:

link Conselho de Segurança da ONU adia votação sobre Síria, diz Rússia

link Autoridades morrem em atentado na Síria

O ministro das Relações Exteriores espanhol, José Manuel García-Margallo, está em Moscou acompanhando o rei da Espanha em sua visita oficial à Rússia e assegurou que o regime sírio se transformou em "uma ameaça para toda a região e a paz mundial".

O chanceler acrescentou que "é absolutamente urgente uma resolução das Nações Unidas com base no capítulo 7, concretamente o artigo 41", que contempla a aplicação de sanções internacionais à Síria.

Segundo o ministro, a medida é necessária "para acabar com a violência, para levar ajuda humanitária para dentro da Síria e para os refugiados, e para iniciar um processo de transição que deve ser democrático."

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conversou por telefone com o presidente russo, Vladimir Putin, sobre a crise, confirmaram a Casa Branca e a agência russa Interfax. Segundo a Casa Branca, os EUA estão trabalhando para convencer China e Rússia de que a história não está ao lado dos que estão alinhados com Assad. Os dois países têm bloqueado no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas as resoluções com sanções.

Com Efe e Reuters

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.