Para Fidel, brasileiro disse 'verdades' sobre Haiti

Ricardo Seitenfus foi afastado do cargo de representante especial da OEA no país

Efe,

28 de dezembro de 2010 | 15h20

O ex-presidente cubano Fidel Castro defendeu o brasileiro Ricardo Seitenfus, afastado do seu cargo de representante especial da Organização dos Estados Americanos (OEA) no Haiti, e afirmou que nas declarações há "verdades incontestáveis".

"É possível concordar ou discordar de algumas palavras do brasileiro Ricardo Seitenfus, mas é fato que ele disse verdades incontestáveis em suas respostas", afirmou Castro em artigo divulgado nesta terça-feira na imprensa oficial.

Seitenfus foi destituído da OEA no sábado passado, depois que uma publicação suíça divulgou declarações suas questionando o papel da Missão de Estabilização das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (Minustah, da sigla em francês) e a política da comunidade internacional frente esse país.

O artigo de Fidel Castro cita nesta terça-feira várias passagens da entrevista para explicar aos cubanos as causas que originaram a "drástica medida" contra o diplomata brasileiro, que ressaltou a "sinceridade" com que expôs seus pontos de vista.

O líder cubano também destacou que Seitenfus "gozava de merecido prestígio nos círculos diplomatas e governamentais de Porto Príncipe pela seriedade e franqueza com que abordava os problemas".

Castro ainda afirmou que os Estados Unidos são os "criadores da pobreza e do caos" no Haiti, e acrescentou que a Organização das Nações Unidas (ONU) enviou "suas Forças de ocupação ao país instigada por Washington".

Em sua entrevista ao jornal suíço, Seitenfus disse que a ONU impôs a presença de suas tropas no Haiti apesar de que o país não vive uma situação de guerra civil, a tempo que questionou o papel dos EUA e as ONG internacionais presentes no local.

Além de sua responsabilidade na OEA, Seitenfus era o delegado desse organismo perante a Comissão Interina para a Reconstrução do Haiti (CIRH).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.