Para França, queda de caças foi 'acidente de voo'

A queda de dois aviões de caça Rafale M na noite de ontem teria sido causada por um choque durante um voo de exercício realizado no Mar Mediterrâneo. A hipótese é considerada a mais plausível pela Marinha francesa desde que o piloto sobrevivente, Yann Beaufils, informou ter sido atingido na parte de trás de sua aeronave antes de cair. Segundo o Ministério da Defesa, o outro aparelho seguiu voando, até desaparecer dos radares. Seu piloto continua desaparecido.

ANDREI NETTO, Agencia Estado

25 de setembro de 2009 | 19h43

As informações foram reveladas hoje, em Toulon, no sul da França, pelo ministro da Defesa, Hervé Morin. Em entrevista coletiva, o executivo definiu a perda dos dois aviões e o desaparecimento de um aviador como "um acidente de voo". "Precisamos investigar a fundo, e toda resposta seria precipitada", ponderou. "Mas a priori não tem nada a ver com o avião."

A ressalva faz parte do esforço sutil do governo francês para descartar falhas simultâneas nos dois aviões - cuja compra o Brasil negocia. Conforme as investigações preliminares da Marinha, baseadas em dados do voo e no depoimento de Beaufils, a hipótese mais verossímil é a da colisão.

Segundo a Marinha, o piloto sobrevivente afirmou ter sentido um forte impacto na parte de trás da sua aeronave. No mesmo instante, ele perdeu o controle e a altitude, mergulhando de bico. "Quando ejetou, Beaufils constatou que o avião de seu colega continuava a voar, mas nós perdemos seu sinal de radar alguns minutos mais tarde", afirmou o porta-voz da Marinha, Bertrand Bonneau. Para ele, o choque é "a hipótese mais provável".

Buscas

Até esta noite, nenhum traço dos aparelhos havia sido localizado, a despeito dos meios de busca mobilizados pela França e pela Espanha. Além de helicópteros da Marinha, da Defesa Civil e da Polícia, de um navio de apoio equipado com sistemas de localização acústica e de mergulhadores franceses, uma equipe das Forças Armadas espanhola se juntou às buscas, realizadas em uma área de 10 mil quadrados, na qual o Mediterrâneo oscila entre 500 e 600 metros de profundidade.

Apesar do pessimismo dos oficiais, Morin reiterou que todos os esforços serão feitos para localizar o militar desaparecido. François Duflot, 45 anos, piloto do Centro de Testes de Voo (CEV-DGA) das Forças Armadas, tem 5 mil horas de voo. Assim como Beaufils, 40 anos, membro do Centro de Experiências Práticas Aeronavais (Cepa), com 3 mil horas de voo, Duflot é considerado "muito experiente". Ambos eram pilotos de testes, e não da Marinha, e participavam dos exercícios de "validação de parâmetros de catapultagem para configurações muito pesadas" do Rafale. Esses ensaios fazem parte de uma bateria que visa a preparar a esquadrilha para o uso pleno do porta-aviões Charles-de-Gaulle, previsto para o fim do ano.

Os Rafale M - de "Marine" - acidentados são similares, mas não idênticos, aos modelos que disputam no Brasil a licitação FX-2, ao lado dos F/A-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing, e dos Gripen NG, da sueca Saab. De acordo com informações da Dassault, os Rafale M têm 80% da estrutura, 90% do custo e 100% dos equipamentos eletrônicos do modelo almejado pela Força Aérea Brasileira (FAB). Entre as diferenças técnicas estão os trens de pouso, reforçados e adaptados às catapultas, que permitem pousos e decolagens em porta-aviões.

Tudo o que sabemos sobre:
caçasFrançaacidenteMediterrâneo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.