Para Frederik e Mary, o final feliz de um segredo de três anos

Meses de planejamento, centenas de convidados e milhares de policiais nas ruas são ingredientes de um casamento com cheiro de conto de fadas, escrito, é claro, pelo dinamarquês Hans Christian Andersen. Menos de quatro anos depois de terem encontrado-se pela primeira vez num bar de Sydney, o príncipe herdeiro da Dinamarca, Fredrik, e a plebéia australiana Mary Donaldson vão trocar votos matrimoniais na Catedral Luterana de Nossa Senhora diante de 800 convidados, incluindo a nobreza européia e asiática, dignitários de Estado e amigos íntimos. Um iatista sagaz, cavaleiro, corredor de maratona e fumante, Frederik, que em 2000 tomou parte de uma dura caminhada de 2.795 quilômetros através do rude norte da Groelândia, encontrou Mary Donaldson pela primeira vez, durante as Olimpíadas de Sydney, quando ele e o príncipe Felipe da Espanha apareceram no bar Slip Inn. O primeiro ano do namoro foi mantido em segredo, para permitir que o casal se conhecesse melhor sem ser exposto aos holofotes da mídia, conforme a própria Mary, uma bela e morena australiana de 32 anos, formada em Direito, contou depois. Depois de 14 meses de visitas secretas de Frederik a Austrália, inumeráveis telefonemas, e-mails e cartas de amor, os dois chegaram à conclusão que Mary devia se mudar para Paris, em fins de 2001, para ficarem mais perto. No início de 2003, ela afinal mudou-se para Copenhague. Depois de meses de especulações, o palácio real finalmente confirmou o romance e, no dia de 8 de outubro, Mary Donaldson tornou-se oficialmente a noiva do filho mais velho da rainha Margrethe. Ela foi a oitava namorada do príncipe herdeiro, incluindo a namoradinha da escola, em 1986, Mie Egmont. Outra das namoradas do herdeiro, Katja Storkholm, era modelo profissional e apareceu em anúncios de lingerie. Embora o palácio não comentasse o relacionamento, a mídia noticiou que Margrethe não estava satisfeita com o romance. O episódio foi o mais próximo de um escândalo a que chegou a família real dinamarquesa, que tem ramos em toda Europa. O rei Christian IX, avô de Margrethe, era conhecido como o sogro das cabeças coroadas européias. Nos anos de 1800, Christian e a rainha Louise conseguiram casar seus seis filhos com as casas dominantes da realeza européia. Atualmente, seus descendentes espalham-se pela Inglaterra, Grécia, Rússia, Suécia, Noruega, Alemanha, Luxemburgo, Bélgica e Romênia. Frederik IX casou-se com a princesa sueca Ingrid em 1935. Margrethe casou-se com um francês em 1967, enquanto suas irmãs Benedikte e Anne-Marie casaram-se com os reis da Grécia e da Alemanha, agora exilados. Em 1995, o príncipe Joachim, o irmão mais novo de Frederik, casou-se com a princesa Alexandra, nascida em Hong Kong. Depois que o bispo de Copenhague, Svend Norman Svendsen, abençoar o casal, a senhorita Donaldson se tornará a princesa Mary, futura rainha da Dinamarca, cidadã dinamarquesa e membro da estatal Igreja Luterana. As sobrinha de Mary, Maddison, 8 anos, e Mollie, 19, serão damas de honra na cerimônia, enquanto seu sobrinho, Michael, 10, juntar-se-á aos filhos do príncipe Joachim, Nikolai e Felix, como pagens. A polícia prevê que cerca de 250.000 pessoas assistirão ao cortejo dos noivos, em uma carruagem puxada por cavalos. As ruas do centro estarão fechadas para carros, exceto para o desfile de 100 limousines Volvo e ônibus escuros que conduzirão os convidados para e da Catedral de Nossa Senhora e, mais tarde, para o Palácio Fredensborg, à noite, onde se dará a recepção. Com as lembranças dos mortais ataques terroristas a Madri, em 11 de março, ainda bem vívidas, a capital dinamarquesa está tomando suas precauções. Um terço da força policial dinamarquesa de 10.000 homens será deslocado para Copenhague, enquanto que seu espaço aéreo permanecerá fechado, exceto para uma imensa fila de helicópteros de televisões que cobrirão a cerimônia. Seguranças sem uniformes protegerão os convidados estrangeiros, que incluem dignitários e membros de todas as casas reais da Europa e algumas da Ásia ? entre eles, o príncipe herdeiro espanhol, Felipe, e sua noiva, Letizia Ortiz, que se casarão na semana seguinte; o príncipe herdeiro Naruhito do Japão; a princesa Chulhaborn da Tailândia; a princesa Caroline de Mônaco e sua marido, o príncipe Ernst August de Hannover; Farah Pahlavi, a viúva do xá do Irã; o príncipe Edward da Inglaterra e sua mulher, Sophie; a primeira-dama francesa Bernadette Chirac.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.