APTN/AP
APTN/AP

Para HRW há evidência de massacre de presos na Líbia

Pelo menos 50 crânios humanos foram encontrados em cadeia improvisada em Salaheddin

AE, Agência Estado

29 de agosto de 2011 | 10h27

TRÍPOLI - Evidências indicam que forças lideradas por um dos filhos de Muamar Kadafi massacraram dezenas de detentos, afirmou o grupo de direitos humanos Human Rigths Watch (HRW) nesta segunda-feira, depois de a agência France Presse ter contado pelo menos 50 crânios humanos numa cadeia improvisada em Salaheddin, ao sul de Trípoli.

O HRW disse em comunicado que inspecionou cerca de 45 esqueletos e outros dois corpos na prisão."Infelizmente, este não é o primeiro relato terrível do que parece ter sido uma execução sumária de detentos nos últimos dias do controle do governo de Kadafi sobre Trípoli", disse Sarah Leah Whitson, diretora do HRW para Oriente Médio e norte da África, em comunicado.

No sábado, um correspondente da AFP contou pelo menos 50 crânios em meio às cinzas da instalação, que fica perto da base da temida Brigada 32, comandada por Khamis Kadafi no subúrbio de Salaheddin.

As paredes da prisão estavam escurecidas pelo fogo e marcadas por estilhaços.

Um sobrevivente, Abdulrahim Ibrahim Bashir, disse ao HRW que os guardas abriram fogo contra os prisioneiros pelo teto do depósito no qual eles eram mantidos em 23 de agosto, enquanto outro jogou granadas na entrada do local.

Bashir disse que cerca de 153 detentos eram mantidos no depósito no dia do massacre e que 125 eram civis. Ele disse que conseguiu escapar enquanto os guardas recarregavam suas armas e acredita que umas 20 pessoas conseguiram deixar o local com vida.

Os rebeldes líbios tomaram Trípoli, que agora é a base do Conselho Nacional de Transição, e avançam para a cidade natal de Kadafi, Sirta. O paradeiro e Kadafi e de seus filhos é desconhecido.

 

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LÍBIAVIOLÊNCIAMASSACRE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.