Para Insulza, candidatos dos EUA só vêem Cuba e Venezuela na AL

O secretário-geral da Organizaçãodos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, criticou naquinta-feira a "maneira equivocada" com que os doispresidenciáveis norte-americanos tratam a América Latina, comênfase excessiva em Cuba e Venezuela. No Chile, ele disse que na sua opinião falou-se "pouco" daregião durante as eleições primárias, e que "agora se começa afalar mais, mas de maneira equivocada". "Cada vez que um candidato fala sobre a América Latina e oCaribe, se refere quase exclusivamente a Venezuela e Cuba, oque demonstra que estão pouco informados ou pouco interessadosno que ocorre no nosso continente", afirmou Insulza em nota. "A escassa preocupação que se manifesta tem a ver com umatentativa, bastante passada de moda, além do mais, de situarnossa região num cenário de conflito global", acrescentou. Apesar disso, afirmou, a eleição norte-americana, entre odemocrata Barack Obama e o republicano John McCain, poderiaservir para redefinir as relações entre Estados Unidos e seusvizinhos do sul. "O novo presidente que for eleito nos EUA [...] deverá terem conta que a América Latina e o Caribe já têm um caminhotraçado em matéria de construção democrática e de soluçãopacífica de conflitos", afirmou. Para Insulza, o novo presidente deveria se preocupar com otema do comércio regional, inclusive a aprovação do pendentetratado de livre-comércio com a Colômbia, e com a imigração. A maioria dos 12 milhões de imigrantes clandestinos nos EUAé oriunda do México, da América Central e do Caribe. (Reportagem de Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.