Para Irã, relatório da AIEA mostra necessidade de retomar diálogo

O relatório do diretor da AgênciaInternacional de Energia Atômica (AIEA), Mohamed ElBaradei, mostra anecessidade de retomar o diálogo, disse nesta sexta-feira o porta-voz doMinistério de Relações Exteriores do Irã, Hamid-Reza Asefi. ElBaradei afirma em seu relatório, enviado ontem ao Conselho deSegurança da ONU, que "o Irã não suspendeu suas atividadesrelacionadas com o enriquecimento de urânio". O texto acrescenta que Teerã "não respondeu a assuntos pendenteshá muito tempo e também não ofereceu a transparência necessária paraeliminar as incertezas relacionadas a algumas de suas atividades". No entanto, segundo a rádio pública iraniana Asefi ressaltou queo relatório é "mais uma prova da ampla colaboração do Irã com aAIEA" e insistiu que "parte considerável do relatório mostra a amplacolaboração do Irã com o órgão e seus inspetores". Além disso, o porta-voz disse que o relatório "esclarece deforma positiva que o Irã está cumprindo as suas obrigações com asnormas internacionais e o tratado de não-proliferação". "Quanto aos poucos assuntos pendentes, como temos dito emrepetidas ocasiões, o Irã está disposto a continuar o caminho dacolaboração e o dialogo" com a AIEA, acrescentou. Ele declarou que "apesar das pressões dos Estados Unidos e dealguns círculos, o relatório demonstra que é preciso evitar qualquergesto apressado, ilegal e com fins políticos". Asefi insistiu na natureza pacífica de suas atividades nucleares,que descreveu como "transparentes, públicas e sem ambigüidades". O presidente iraniano, o ultraconservador Mahmoud Ahmadinejad,acusou hoje "os inimigos" do Irã de tentar privar seu país "doconhecimento nuclear". Nesta quinta-feira, 31 de agosto, terminou o prazo dado pelo Conselho deSegurança da ONU ao Irã para que suspendesse suas atividades deenriquecimento de urânio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.