Para Israel, ONU é hipócrita ao esboçar resolução sobre Arafat

Os representantes palestinos na Organização das Nações Unidas estão pressionando a ONU para intervir no conflito com Israel de modo a proteger Yasser Arafat. O pedido é por uma garantia de Israel sobre a segurança do líder palestino. Em Jerusalém, o embaixador israelense na ONU disse que o Conselho de Segurança da entidade de pratica hipocrisia. A reação de Dan Gillerman, representante de Israel nas Nações Unidas, se refere ao rascunho de resolução formulado na semana passada no Conselho de Segurança pelos representantes palestinos. O CS começou a fazer consultas sobre a resolução, que em linhas gerais protege Arafat e impede sua expulsão. Os embaixadores que integram o Conselho preferem consultar seus governos antes de tomar posição. Além disso, querem esperar o encontro do secratário-geral da ONU, Kofi Annan, com os ministros de assuntos externos dos cinco países membros permanentes do CS: Estados Unidos, Rússia, China, Grã-Bretanha e França. O encontro será em Genebra. O embaixador de Israel disse que o Conselho de Segurança se reuniu por várias vezes para condenar as ações israelenses, mas, segundo ele, ignora os atentados suicidas palestinos e os ataques a tiro contra israelenses. Dan Gillerman está pressionando os Estados Unidos para vetar a possível resolução em favor de Yasser Arafat. Mas, como os EUA estão sinalizando com a abstenção, ele disse que "podemos esperar uma resolução que os palestinos e outros apresentam como moderada... mas na minha opinião o próprio encontro demonstra a hipocrisia da ONU".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.