Para italianos, resultado foi 'uma vingança'

Roberto, um garçom num café próximo ao Vaticano, solta um sorriso de satisfação quando a reportagem pergunta sobre o que ele achava do resultado da eleição. "Isso é o que chamo de uma vingança do povo", disse.

O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2013 | 02h02

Em poucos segundos, o assunto passou a dominar a conversa entre senhores, profissionais e trabalhadores.

"Muitos políticos vão se lembrar por muitos anos do que ocorreu nas eleições de 2013", insistia Umberto Grosso, um advogado. Mais de dois terços dos italianos votaram ontem contra as medidas de austeridade, enquanto 25% optaram por um movimento que existe como reação contrária à classe política. "Em 2011, acharam que era só colocar um governo de tecnocratas liderado por um ex-banqueiro e o país estaria salvo", disse Carlo, um vendedor. "Salvo de quem?" / J.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.