Para Japão, Coréia do Norte ainda integra 'eixo do mal'

Retirada de lista de países que apóiam o terrorismo depende da "inutilização das instalações nucleares"

Efe,

04 de setembro de 2007 | 00h50

O Japão descartou nesta terça-feira, 4, a possibilidade de que os Estados Unidos tenham prometido retirar a Coréia do Norte da lista de países que promovem o terrorismo como contrapartida pela desnuclearização do país comunista. Veja também: Negociador dos EUA nega saída da Coréia do Norte de lista negra Os Estados Unidos "não se decidirão de forma unilateral e sem o consentimento do Japão a retirada da Coréia do Norte da lista", disseram à agência Kyodo fontes do governo japonês. Em Sydney, o ministro de Relações Exteriores japonês, Nobutaka Machimura, opinou que a retirada da Coréia do Norte da lista americana dos Estados patrocinadores do terrorismo dependerá de "todo tipo de condições". "Acho que isso depende de condições como a inutilização das instalações nucleares e sua completa verificação", declarou o ministro japonês, que se encontra na cidade australiana para a reunião anual do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec). Exigência O Japão sempre exigiu que, antes da retirada do regime norte-coreano da lista, seja esclarecido o conflito entre os dois países sobre os seqüestros de vários japoneses durante as décadas de 1970 e 80. Machimura já havia afirmado na segunda-feira que os Estados Unidos "não avançarão nas relações com a Coréia do Norte em troca de prejudicar seus laços com o Japão". De qualquer forma, o Executivo japonês anunciou que acompanhará atentamente a evolução do assunto, especialmente após as informações publicadas nos últimos dias. Na segunda-feira, as declarações do negociador americano Christopher Hill sugeriram a possibilidade de a Coréia do Norte ser retirada da lista de países que promovem o terrorismo. Ele anunciou também que o regime norte-coreano tinha se comprometido a oferecer uma declaração completa de todo o seu programa nuclear, inclusive o programa de enriquecimento de urânio, a ser desmantelado no fim de 2007. A agência oficial de notícias da Coréia do Norte informou nesta segunda-feira que, segundo um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores norte-coreano, os Estados Unidos tinham prometido retirar o país comunista da lista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.