Para Lagos, integração no Mercosul tem de ser política

O presidente do Chile, Ricardo Lagos, fez eco à proposta do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, de que a integração da região seja política. Depois da cerimônia de posse do presidente argentino, Néstor Kirchner, em rápida entrevista à Agência Estado, Lagos afirmou que "o Mercosul tem de ir além da discussão de alíquotas e tornar-se em um Mercosul político, permitindo negociações melhores para os países, seja com a Alca, União Européia ou qualquer outro". Lagos coincide com os presidentes Lula e Hugo Chávez, da Venezuela, de que "este é o momento adequado para dar início a essa convergência porque vemos novos impulsos na região, neste sentido", referindo-se à proposta de Lula de fortalecer o Mercosul e do apoio que a mesma tem recebido dos demais presidentes dos países sócios, associados (Chile e Bolívia) e vizinhos que querem associar-se. Ricardo Lagos tem uma proposta ainda mais audaciosa que é a de incluir o México nesta convergência de três países, Chile, Brasil e Argentina. Ele considera a participação política do primeiro, "fundamental" e de peso. "O consenso de Washington não solucionou, nem deu respostas à problemática social e sem isso não há condições de competir externamente", afirmou Lagos. Ele destacou a importância de colocar maior ênfase nas políticas públicas sociais com a coordenação de políticas macro-econômicas regionais. Sua ministra de Relações Exteriores, Maria Soledad de Alvear, também enfatizou que "hoje, o Chile está muito mais próximo do Mercosul, especialmente do Brasil e da Argentina, do que há alguns meses". Soledad afirmou que a discussão sobre as alíquotas deixou de ser o centro das polêmicas. "Nossa intenção sempre foi a de integrar o Mercosul mas o problema das tarifas dificultam este acesso", lembrando que enquanto o Mercosul possui uma tarifa média de 13% e 14%, a do Chile é de 6%. Porém, a minista ressalta: "Acredito que agora, com esta nova proposta de uma integração mais política, nos sentimos mais próximos e com maiores possibilidades de entendimento?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.