Para Líbano, discurso de Bush foi "chocante"

O Líbano rejeitou e classificou de "chocante" o discurso do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, sobre a política americana para o Oriente Médio. O ministro da Informação do Líbano, Ghazi Aridi, afirmou hoje que o primeiro-ministro Rafik Hariri disse, durante uma reunião semanal de gabinete, que o discurso de Bush "causou choque" em muitas partes do mundo "apesar de tentativas de muitos países de sugerir que há esperança nas palavras" do líder americano. Entre os países árabes que desempenham um papel-chave na questão do Oriente Médio, Egito, Jordânia e Arábia Saudita demonstraram um certo apoio ao discurso. A Síria ainda não se pronunciou. Bush pediu em seu discurso por eleições de uma nova liderança palestina e pelo fim dos ataques suicidas como exigências para o estabelecimento de um Estado palestino provisório.O presidente americano também conclamou a Síria, o país com maior influência no Líbano, e o Irã a cessarem seu apoio ao Hezbollah, o grupo guerrilheiro libanês que lutou contra a ocupação das tropas israelense do Sul do Líbano até sua retirada em maio de 2000. Segundo Aridi, o gabinete libanês apoiou a "rejeição do discurso de Bush" por parte do premier e exigiu que Israel obedeça as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e se retire das terras palestinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.