Para MI5, Reino Unido tem até 200 células terroristas

Agência de inteligência doméstica diz que grupos teriam ligações com a Al-Qaeda

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 19h16

O Reino Unido tem atualmente mais de 2 mil indivíduos sob vigilância, suspeitos de participar de até 200 células que planejam atentados, segundo a agência de inteligência doméstica do país, o MI5. O MI5 diz ter identificado até 30 planos para supostos ataques e afirma ter desbaratado ao menos meia dúzia de planos de alto impacto. O número de suspeitos sob vigilância pelo órgão cresceu 25% nos últimos seis meses. Muitos deles teriam ligações diretas com a Al-Qaeda no Paquistão.Em uma declaração recente, no início de maio, o diretor-geral do MI5, Jonathan Evans, afirmou que o serviço "precisa ser honesto sobre o que pode e o que não pode ser prevenido em uma sociedade democrática que preza suas liberdades".Segundo ele, "o serviço de segurança nunca terá a capacidade de investigar todos os indivíduos que aparecem na periferia de cada operação", mas afirma que a agência continuará fazendo todo o possível para proteger a população britânica.Al-QaedaA polícia britânica trabalha com a teoria de que os ataques frustrados em Londres e Glasgow na semana passada têm alguma conexão com a Al-Qaeda - se não na organização, ao menos em relação à motivação e à ideologia.Conversas recentemente interceptadas já haviam alertado as autoridades de que militantes islâmicos extremistas pretendiam atacar a Grã-Bretanha, muito provavelmente em locais de grande concentração de pessoas.A aparente adoção de múltiplos carros-bomba como arma marcaria uma nova e preocupante tática para a Al-Qaeda na Grã-Bretanha, mas a idéia está longe de ser novidade.Uma van carregada com explosivos foi usada na primeira tentativa de derrubar o World Trade Center, em Nova York, em 1993.Um plano para carregar limusines com cilindros de gás e detoná-las debaixo de pontes em Londres teria sido discutido entre altos membros da Al-Qaeda em 2004. E, nos últimos anos, carros-bomba se tornaram ocorrência quase diária nas áreas de maioria xiita de Bagdá. Daí o temor de que esse tipo de tática possa agora ser importada ao Reino Unido. Agora as autoridades estão ampliando as investigações em duas direções. Eles estão tentando encontrar e prender todos os indivíduos com ligações com os recentes atentados frustrados. Além disso, eles estão mobilizando todos os recursos, tanto no país quanto no exterior, para estabelecer quem - se houve alguém - planejou os ataques e que outras atrocidades podem estar sendo planejadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.