Para mundo árabe, Powell fez declaração de guerra

Os jornais árabes qualificaram como "uma declaração de guerra" ou uma maneira de abrir caminho para uma ação militar americana no Iraque a apresentação de provas feita ontem pelo secretário de Estado americano, Colin Powell, perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas.O jornal iraquiano al-Qadissiya escreveu que o informe de Powell é "uma coleção de mentiras" que tende a preparar "a agressão prevista dos EUA contra o Iraque". Em Damasco, o matutino Al-Baath (órgão do homônimo partido no poder) afirmou que Powell "apresentou hipóteses e avaliações pessoais formuladas em uma linguagem agressiva".Acrescentou que "no melhor dos casos, seu informe contém informações não-confirmadas que devem ser avaliadas de modo objetivo pelos inspetores da ONU". "É suficiente basear-se em hipóteses para desencadear uma guerra que ameaça o mundo inteiro?", perguntou o Al-Baath.Para o jornal árabe internacional Asharq al- Awsat (de propriedade saudita), "Powell apresentou o último precatório antes de estourar a guerra". "Ontem, graças ao informe de Powell, os EUA declararam guerra ao Iraque", diz em seu título de hoje o diário libanês an-Nahar, segundo o qual com sua intervenção na ONU Powell deu a Washington o pretexto "para uma guerra que já havia sido decidida". "Washington vai à guerra" é o título do portal do periódico de Beirute As-Safir, que em seu editorial afirmou que "ontem, Powell foi claro em oferecer ao Conselho de Segurança sua última oportunidade".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.