Para o Irã, seqüestradores fugiram para o Paquistão

O governo iraniano afirmou hoje que os seqüestradores que mantiveram três europeus como reféns durante quase um mês fugiram para o Paquistão assim que os libertaram na semana passada, e exigiu que Islamabad detenha os criminosos.Os seqüestradores disseram aos reféns - um irlandês e dois alemães - que faziam parte da Al-Qaeda, a rede terrorista comandada por Osama Bin Laden. No entanto, o Ministro da Inteligência iraniano, Ali Yunesi, afirmou não haver como confirmar tal ligação até que eles fossem presos. "Solicitamos ao governo paquistanês que identifique os suspeitos e os entregue a nós", disse.Os turistas Aidan James Leahy, David Storm e Oliver Brug foram libertados no último dia 28. Eles haviam sido capturados no dia 2 de dezembro do ano passado enquanto passeavam de bicicleta no sudeste do Irã.Eles afirmam que foram vendados pelos seqüestradores e atravessaram o deserto rumo a um quarto onde ficaram em cativeiro, sem ver o rosto dos criminosos. "Eles se declararam do Taliban, ligados à Al-Qaeda", lembrou Leahy numa entrevista.Yunesi conta que, para o resgate, foram exigidos 5 milhães de euros e a libertação de membros da Al-Qaeda detidos no Irã. "Eles não conseguiram nenhuma de suas exigências. Os reféns foram soltos depois da intervenção de autoridades locias influentes".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.