Para Obama, recuperação econômica é muito importante

O presidente dos EUA, Barack Obama, de volta de sua primeira viagem presidencial à Ásia, pediu que os EUA aumentem as exportações para a região, afirmando que mesmo pequenos ganhos ajudariam a colocar muitos desempregados norte-americanos de volta ao trabalho.

AE, Agencia Estado

21 Novembro 2009 | 11h44

"Conforme saímos da pior recessão em gerações, não há nada mais importante do que fazer tudo que pudermos para nossa economia se mover novamente e colocar os norte-americanos de volta ao emprego, e eu iria a qualquer lugar para buscar esse objetivo", disse Obama em sua mensagem semanal à nação via rádio.

Os comentários do presidente seguem o tour pelo Japão, Cingapura, China e Coreia do Sul, em uma viagem que visava amplamente interesses econômicos, segundo ele. De volta aos EUA, Obama prometeu manter o foco em maneiras de combater o desemprego nos EUA e no retorno da nação à prosperidade.

Obama alertou que os EUA não devem voltar a depender de crescimento alimentado por empréstimos do consumidor, pedindo à nação que gaste menos, economize mais e coloque o déficit federal recorde sob controle. Ele também pediu uma maior ênfase nas exportações, afirmando que um aumento de 5% nas exportações dos EUA para a Ásia resultaria em centenas de milhares de empregos nos EUA.

O presidente mencionou um fórum da Casa Branca sobre emprego e crescimento econômico, que acontecerá em breve, onde executivos e donos de empresas, sindicatos trabalhistas, economias e especialistas financeiros discutirão maneiras de estimular contratações e fazer a economia progredir novamente.

"É importante que não tomemos decisões mal consideradas - mesmo com a melhor das intenções - particularmente no momento em que nossos recursos são tão limitados. Mas é igualmente importante que estejamos abertos a qualquer ideia boa para suplementar as medidas que já tomamos para colocar a América de novo trabalhando. É isso que espero alcançar neste fórum", disse Obama. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA Obama rádio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.