Para Powell, relatório errado é constrangedor

O secretário de Estado dos EUA, ColinPowell, admitiu neste domingo que a divulgação de umrelatório mostrando incorretamente o declínio do número deatentados no mundo foi "um grande erro". Powell disse que estava trabalhando com a CIA, que ajudou acompilar os dados, para determinar por que os erros chegaram aorelatório. "Muito constrangedor", disse ele em entrevista ao programaMeet the Press. "Não estou nada feliz com isso. Estávamoserrados." O relatório de abril dizia que os ataques haviam diminuído de346, em 2001, e 198, em 2002, para 190 no ano passado. O númerode 2003 seria o menor em 34 anos, com uma queda de 45% desde2001, o primeiro ano de Bush na presidência dos EUA. O relatóriomostrava também o suposto desaparecimento de ataques em queninguém morria. Powell marcou para amanhã um encontro para tratar do assunto.Falando hoje a outro programa de televisão, This Week, da redeABC, Powell disse: "É um erro numérico. Não é um julgamentopolítico. Mas os erros são evidentes." O deputado democrata Henry Waxman havia contestado os números,afirmando que estes foram manipulados por razões políticas. Aconclusão de que o terrorismo estava diminuindo foi usada paradestacar uma das principais conquistas da política externa dopresidente George W. Bush, o suposto sucesso no combate aoterror. Waxman pediu então uma explicação a Powell e se dissesatisfeito com ela após a conversa. Mas o congressistaacrescentou: "Ainda resta o fato de que este relatório é inútil,até que seja corrigido."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.