Para presidente egípcio, guerra antiterror serve Israel

O presidente egípcio, Hosni Mubarak, dissehoje que a guerra antiterrorismo liderada pelos EstadosUnidos foi desviada para servir a Israel. Num discurso televisionado para marcar o 1º de Maio, Mubarakafirmou que os Estados Unidos e outros líderes mundiais haviamprometido pressionar por um Estado palestino independente e adevolução de terras árabes ocupadas por Israel. "Todas as promessas e garantias foram ignoradas e as grandespotências preferiram concentrar-se em questões de segurança enegligenciaram seu papel-chave na preparação de uma atmosferaadequada para negociações políticas", disse o presidenteegípcio, visto como uma fundamental voz moderada árabe. "Isto levou ao desvio da campanha contra o terrorismo parauma nova direção que visa alcançar ganhos políticos para Israelàs custas dos países árabes e islâmicos e usar esta campanhapara destruir a legítima resistência palestina contra a ocupaçãoisraelense", opinou. "O que ocorreu foi uma repentina mudança de direção da guerracontra o terrorismo que, temo, irá sacudir a fé do povo nela esua credibilidade nos mundos árabe e muçulmano", advertiu. Enquanto isso, outro moderado-chave do mundo árabe, o reiAbdullah II, da Jordânia, disse que é "insuficiente" terapenas uma visão americana de um Estado palestino. "Falar meramente de uma visão americana de um Estadopalestino sem apresentar uma nova fórmula para se tratar aquestão e sem um mecanismo e um calendário é insuficiente",afirmou ele ao Conselho do Rei, ou Senado, de 40 membros."Temos de trabalhar para pôr fim à ocupação e para seestabelecer um Estado palestino com Jerusalém como suacapital". O rei Abdullah II deve se encontrar com o presidente americano George W. Bush, na semana que vem em Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.