Para presidente, Snowden foi ?sensacionalista?

O nome de Edward Snowden foi mencionado em duas ocasiões pelo presidente Barack Obama no discurso em que apresentou ontem (17) a reforma dos serviços de inteligência do país. Apesar de as mudanças terem sido claramente motivadas pelas revelações do ex-técnico da NSA, o presidente criticou o modo "sensacionalista" em que elas ocorreram.

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE, Agência Estado

18 de janeiro de 2014 | 07h49

"Se qualquer indivíduo que se opõe a políticas do governo pode tomar em suas mãos a revelação pública de informação secreta, então nós não seremos capazes de manter nossa população segura ou conduzir política externa", disse Obama.

O presidente reconheceu indiretamente a importância das revelações. "Independentemente de como chegamos aqui, a tarefa diante de nós é maior do que simplesmente reparar o dano feito às nossas operações ou prevenir que novas revelações ocorram no futuro." Em Londres, Julian Assange, coordenador do site WikiLeaks, disse que Obama não teria anunciado reformas "não fosse por Snowden e outros delatores antes dele". As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ObamaespionagemSnowden

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.