Pára-quedista divulga vídeo de queda quase mortal

Um pára-quedista da Nova Zelândia que sobreviveu a uma queda de 4.572 metros depois que seu pára-quedas não abriu divulgou o incrível vídeo do seu mergulho quase mortal filmado por uma câmera acoplada a seu capacete Holmes, de 25 anos, foi manchete em todo o mundo depois de sobreviver a uma queda durante um pulo rotineiro sobre o lago Taupo, na Nova Zelândia, em 13 de dezembro de 2006. A 1.219 metros Holmes percebeu que seu pára-quedas não iria abrir. Depois de descartar o equipamento principal, o reserva também não funcionou, fazendo com que o neozelandês caísse rodopiando.A câmera no capacete mostra Holmes verificando a altitude em que está, enquanto luta para virar e ver qual é o problema do equipamento. Nos segundos finais de sua queda, Holmes acena para a câmera em despedida e grita "adeus", antes que sua sombra no solo preencha a tela e ele caia em arbustos a 193 quilômetros por hora. "Todo mundo diz que a vida passa diante de seus olhos, mas para mim, isso realmente não aconteceu", disse Michael Holmes em entrevista a estação de TV britânica ITN. "Eu estava apenas frustrado que essa seria a forma como eu iria morrer, e era isso", afirmou.Felizmente, Michael teve apenas uma perfuração no pulmão e fratura nos joelhos.Registro da quedaUma segunda câmera no capacete de um colega pára-quedista também filmou a queda e o que aconteceu depois que Holmes pousou. Ela mostra Holmes parecendo um boneco de trapos girando loucamente, mergulhando em direção ao lago. Quando o pára-quedista Jonathan King localizou o colega, consciente e respirando, em um arbusto que amorteceu a queda, podia-se ouvi-lo perguntando freneticamente: "Você está bem?" "Não!", respondeu Holmes.Mesmo assim, alguns colegas do pára-quedista tentam manter o clima de descontração, dando risada e conversando. Poucos minutos depois uma equipe de resgate leva Holmes para o hospital.Depois do acidente, o pai de Michael disse que o filho é um "sortudo, pois a chance de sobreviver a uma queda dessas é de uma em 1 milhão".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.