Eric BARADAT / AFP
Eric BARADAT / AFP

Para Rússia, relatório de Mueller não apresenta evidências de conluio

Segundo porta-voz do Kremlin, não há 'evidências substanciadas por quaisquer fatos' que a Rússia tenha interferido na eleição de 2016

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2019 | 09h51

MOSCOU - O Kremlin afirmou nesta sexta-feira, 19, que o relatório de 400 páginas do conselheiro especial que investiga a interferência russa nas eleições americanas de 2016, Robert Mueller, não ofereceu nenhuma evidência confiável sobre um conluio naquela campanha.

Depois de dois anos de investigação, o relatório foi divulgado na quinta-feira. Apesar de o presidente americano, Donald Trump, comemorar o que considera uma "exoneração completa" da prática de crimes, os detalhes da investigação apontam numerosos contatos entre os assessores do republicano durante a campanha eleitoral e oficiais russos.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse a repórteres que "não há evidências substanciadas por quaisquer fatos" que a Rússia tenha interferido na eleição e ressaltou que Moscou rejeita as acusações. Peskov destacou que o presidente da Rússia, Vladimir Putin, negou repetidas vezes as alegações de interferência "porque não havia nenhuma". / AP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.