J Pat Carter/AFP
J Pat Carter/AFP

Para Ted Cruz, viagem de Obama a Cuba é ‘espetáculo de mau gosto’

Pré-candidato republicano e filho de pai cubano disse em artigo que visita do presidente americano ‘enriquece e dá poder à ditadura’ da ilha

O Estado de S. Paulo

21 de março de 2016 | 08h57

WASHINGTON - O pré-candidato republicano à presidência dos EUA, Ted Cruz, filho de pai cubano, afirmou no domingo que a histórica viagem do presidente Barack Obama a Cuba é "um espetáculo de mau gosto" que "enriquece e dá poder à ditadura" da ilha.

"Tenho algumas palavras para os cubanos que contemplam o espetáculo de mau gosto em Havana neste fim de semana: os EUA não os esqueceu", declarou o senador pelo Texas em um artigo de publicado no domingo pelo jornal Politico.

"Eu sou filho de um cubano que foi golpeado e torturado pelo regime de (Fulgencio) Batista e minha tia foi maltratada pelos pistoleiros de (Fidel) Castro. Graças a Deus tanto meu pai como minha tia Sonia encontraram a liberdade nos EUA", escreveu Cruz.

Para o pré-candidato, "a liberdade" deve chegar a Cuba, mas não "enriquecendo e dando poder à ditadura enquanto exporta terrorismo para toda a América Latina". "E não pode chegar esquecendo o heroísmo e o sofrimento das valentes almas que se opuseram aos Castro por muitas décadas", acrescentou.

O pai de Cruz, Rafael Bienvenido, nasceu em Matanzas e foi preso e torturado pelas forças de Batista após ter se unido com 14 anos à luta revolucionária de Fidel Castro. Aos 18 anos conseguiu sair de Cuba solicitando sua admissão na Universidade do Texas e um visto de estudo de quatro anos nos EUA.

A aprovação de Cuba para deixar a ilha foi conseguida por meio de seu advogado, que subornou um funcionário público, segundo explicou ele mesmo em 2013 quando relatou sua história à emissora NPR.

Obama, que iniciou no domingo sua histórica viagem a Cuba, é o primeiro presidente dos EUA em atividade a visitar a ilha em quase 90 anos e o único a fazê-lo desde o triunfo da revolução castrista em 1959. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.