AP Photo/Evan Vucci
AP Photo/Evan Vucci

Para Trump, Estado palestino não é essencial para paz no Oriente Médio

O apoio à criação de dois Estados faz parte da política dos EUA desde o primeiro governo de George W. Bush e foi adotada em razão da dificuldade de os dois lados chegarem a um consenso sobre o processo de paz

Cláudia Trevisan - Correspondente / Washington, O Estado de S. Paulo

15 Fevereiro 2017 | 16h33

O presidente Donald Trump disse na manhã desta quarta-feira, 15, que a criação de dois Estados não é um elemento essencial para a solução do conflito Israel-palestinos, o que representa o abandono da posição defendida pelos EUA desde o primeiro governo de George W. Bush. 

Segundo ele, essa questão tem de ser decidida por israelenses e palestinos. “Estou olhando para dois Estados, um Estado e estou satisfeito com o que as duas partes gostarem. Estou muito feliz com o que os dois lados quiserem”, disse Trump na Casa Branca ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

O apoio à criação de dois Estados faz parte da política dos EUA desde o primeiro governo de George W. Bush e foi adotada em razão da dificuldade de os dois lados chegarem a um consenso sobre o processo de paz. Sem apresentar nenhuma evidência de como atingirá esse objetivo, Trump tem repetido que será bem sucedido na busca de um acordo de paz que coloque fim ao conflito Israel-Palestina.

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, criticou a posição de Washington. “Não há solução alternativa para a situação entre palestinos e israelenses além da solução para o estabelecimento de dois Estados e nós deveríamos fazer todo o possível para mantermos isso”, declarou Guterres no Cairo.

Saeb Erekat, secretário-geral da Organização para Libertação da Palestina (OLP), disse que a única alternativa para dois Estados é a criação de um único Estado “secular e democrático, com direitos iguais para todos, cristãos, muçulmanos e judeus”. 

Segundo ele, o objetivo de Netanyahu é criar um sistema de apartheid, com direitos distintos para israelenses e palestinos. Erekat disse que os palestinos vão se empenhar para construir uma frente internacional para preservar a proposta de criação de dois Estados.

Durante a entrevista coletiva, o presidente americano fez um apelo direto a Netanyahu e pediu que Israel contenha os assentamentos em territórios palestinos. O primeiro-ministro disse os dois líderes deveriam discutir o assunto e chegar a um acordo para evitar “colisões”. 

Netanyahu não respondeu perguntas sobre sua posição em relação à criação de dois Estados, sob o argumento de que a proposta é um “rótulo” que não abrange questões concretas. Segundo ele, qualquer negociação de paz deve respeitar duas pré-condições israelenses: os palestinos têm de reconhecer o Estado de Israel e deixar de defender sua destruição e Israel deve manter o controle sobre a segurança de toda a região.

Mais conteúdo sobre:
Binyamin Netanyahu Donald Trump Israel

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.