Para UE, eleições no Haiti foram "milagre"

"É um milagre. Apesar de tudo o que deu errado, os problemas acabaram sendo corrigidos e quase todo mundo conseguiu votar", afirmou o chefe da missão de observadores da União Européia no Haiti, Johann Van Hecke.O representante europeu diz ter sido surpreendido pelo alto comparecimento às urnas, que ele estima que tenha ficado entre 75% e 80%, o que ultrapassaria, com grande margem, as expectativas da ONU, de 50%. A votação, que deveria ter sido encerrada às 16h do horário local (19h de Brasília) foi prorrogada em até duas horas alguns centros.O vice-presidente da Internacional Crisis Group, outra organização internacional que enviou observadores ao Haiti, também fez uma avaliação positiva da votação. "Houve problemas nos grandes centros de votação, mas foi melhor do que o previsto", disse Mark Schneider. Violência e mortes Pelo menos três pessoas morreram durante a votação nas eleições do Haiti - as primeiras desde a deposição do presidente Jean-Bertrand Aristide, dois anos atrás. Além das três mortes, houve incidentes violentos. Eleitores revoltados destruíram uma estação eleitoral, que, cinco horas depois do início previsto da votação, ainda não havia aberto.Para Van Hecke, no entanto, os incidentes foram poucos diante dos temores que existiam em relação à violência, que levou a Minustah (Missão de Estabilização da ONU no Haiti, em francês) a montar um grande esquema de segurança, envolvendo os mais de 9 mil militares e policiais que a organização mantém no país.O chefe da missão da UE admite que chegou a pensar a retirar a sua missão de observadores no começo do dia, quando a votação estava ainda muito tumultuada. "Em um momento, consideramos retirar os nossos observadores porque a tensão estava muito alta", disse Van Hecke. Apesar das reclamações, os eleitores haitianos entrevistados pela BBC Brasil mostraram-se esperançosos de que a eleição vai melhorar a situação do país, assolado pela violência e pela miséria.Cerca de 3,5 milhões de pessoas, 80% do eleitorado, estavam registradas paravotar nas eleições desta terça-feira. Observadores dizem que o alto comparecimento é mais surpreendente porque o voto não e obrigatório no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.