Parada no Nepal celebra os 50 anos da conquista do Everest

Sir Edmund Hillary, de 83 anos, e um sherpa (como são chamados os moradores da região do Himalaia) da expedição que escalou em 1953 o Monte Everest conduziram uma colorida procissão de centenas de alpinistas e fãs através da capital do Nepal nesta terça-feira para comemorar os 50 anos da primeira escalada da montanha mais alto do mundo.Com lenços amarelos envoltos no pescoço, ele e Gyalzen, um sherpa, de 85, um dos três sobreviventes da primeira expedição conduziram a parada em cima de uma carruagem puxada por cavalos.Ao longo da parada, o exército de Gurkha tocava gaitas de fole e tambores enquanto crianças acenavam bandeiras coloridas. No segundo carro vinha Junko Tabei, do Japão, a primeira mulher a chegar ao topo do mundo. ?Mais mulheres deveriam ir ao Everest?, disse. Segundo ela apenas 5% dos 1.200 montanhistas que escalaram o Everest são mulheres.Após a parada, em uma conferência, Reinhold Messner, o primeiro homem a escalar o Everest sem a ajuda de balões de oxigênio, falou sobre as conseqüências que a falta de ar podem causar ao corpo e ao cérebro. ?Não há dúvidas que os seres humanos não foram feitos para viver em lugares altos?. ?Nós apenas suportamos por poucas horas?.Ele e Junko falaram também da necessidade de o Nepal, um dos países mais pobres do mundo, tem em se desenvolver. ?Era muito doloroso ver os Sherpas esgotados, dormindo ao lado de suas cargas muito pesadas, de até 50 quilos, e que eram obrigados a fazer este serviço porque têm que alimentar suas famílias?, disse Messner.Os montanhistas serão homenageados pelo rei Gyanendra e pelo primeiro-ministro Lokendra Bahadur nas comemorações do 50° aniversário da escalada do Everest. Jantares, seminários, exibições e festivais de rua estão programados durante toda a semana.Sobre os novos recordes, Gyalzen brincou. ?Nos anos 50 era muito difícil alcançar o topo. Agora parece que a montanha ficou menor?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.