Paradeiro de ex-presidente do Equador é um mistério

O paradeiro do ex-presidente equatoriano Gustavo Noboa continua uma incógnita, um dia depois de ele ter anunciado que pediu asilo político à Embaixada da República Dominicana. Noboa não foi visto em público depois do anúncio, feito através de uma fita gravada com sua voz, difundida pela televisão. Não há informações sobre se o ex-mandatário entrou na missão dominicana em Quito ou se estava na residência do embaixador, segundo apontavam diversas versões da mídia local. Uma fonte da embaixada disse à Associated Press que o embaixador dominicano, Norman Ferreira, que estava em férias no exterior, adiantou seu retorno a Quito. De acordo com a fonte, que pediu anonimato, Ferreira deverá se reunir com Noboa em breve. Informou também que o embaixador é o único autorizado a tomar decisões sobre o caso e que fará os anúncios que achar pertinentes. O ex-mandatário (2000-2003) pediu asilo à República Dominicana alegando que é perseguido pelo ex-presidente e atual deputado León Febres Cordero, líder do maior partido do Congresso. Cordero denunciou recentemente que a negociação da dívida externa ocorrida durante o governo de Noboa causou prejuízos de cerca de US$ 9 bilhões ao país.

Agencia Estado,

29 Julho 2003 | 17h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.