Paradeiro de peruano raptado em Gaza ainda é um mistério

O paradeiro do fotógrafo Jaime Razuri, seqüestrado na segunda-feira passada na Cidade de Gaza quando voltava de uma cobertura para a agência de notícias France Presse (AFP), permanece desconhecido.Nenhuma facção ou grupo armado palestino da Faixa de Gaza, sob controle da Autoridade Nacional Palestina (ANP), reivindicou a autoria do seqüestro do jornalista, de 50 anos, e, por isso, as condições de sua libertação são ignoradas.Até o momento, o paradeiro de Razuri, seqüestrado na segunda-feira passada em Gaza por cinco homens encapuzados em uma rua próxima ao local onde a AFP e outros meios de comunicação têm seus escritórios, permanece desconhecido.As mediações realizadas pelo vice-ministro de Relações Exteriores peruano, Gonzalo Gutiérrez, após sua chegada na sexta-feira a Israel para conseguir a libertação de Razuri não foram divulgadas e são mantidas em segredo.A rádio pública israelense e o jornal Haaretz, únicos que atribuíram o seqüestro de Razuri ao "Exército Islâmico", informaram que o chefe da organização, Muntaz Dormush, exigiu a entrega de 18 milicianos do Hamas em troca da liberdade do jornalista em uma conversa telefônica com o líder do movimento islâmico, Haled Mashal, radicado na Síria.O "Exército Islâmico" veio a público pela primeira vez em 25 de junho, quando alguns de seus milicianos, junto com outros do Hamas e dos Comitês da Resistência Popular, capturaram o soldado Gilad Shalit em uma base militar do sul de Israel com o objetivo de trocá-lo por prisioneiros palestinos.O presidente da ANP, Mahmoud Abbas, que ordenou a busca de Razuri, não informou até o momento sobre o resultado da missão que efetivos realizaram em Gaza, e também não foi possível saber se ele se encontrou com o vice-chanceler peruano Gutiérrez.Outros seqüestrosMilicianos do "Exército Islâmico" capturaram neste sábado quatro integrantes do Hamas, informaram fontes da segurança na Cidade de Gaza.Os seqüestros ocorreram em uma mesquita, disseram fontes do Hamas, cujos militantes são responsabilizados pelo "Exército Islâmico" pela morte de dois de seus integrantes, há mais de duas semanas, em um conflito no bairro de Sabra.Além disso, fontes militares israelenses informaram esta tarde que dois palestinos foram feridos por disparos de soldados na fronteira com a Faixa de Gaza. Ainda não se sabe se os palestinos estavam armados ou se eram civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.