Paraguai investiga chacina de 7 pessoas na divisa com Brasil

A polícia paraguaia confirmou nestasegunda-feira que sete pessoas foram assassinadas a tiros emuma zona fronteiriça com o Brasil, ao norte do país, um crimeatribuído por autoridades antidrogas à recente detenção de umsuposto narcotraficante. A chacina aconteceu no domingo, na cidade de Capitán Bado,a cerca de 550 quilômetros da capital paraguaia, Assunção. "Estas sete pessoas estavam no interior de uma casa jogandocartas quando chegaram outras cinco ou seis em uma caminhonetee, sem dizer nada, efetuaram os disparos", relatou ajornalistas o chefe da polícia local, Genaro Torres. "Cinco morreram na hora e as outras duas quando foramtransportadas para um centro de assistência. Os atiradoresefetuaram cerca de 100 disparos e, depois, se dirigiram outravez para território brasileiro", acrescentou. Os agressoresestavam armados com fuzis de assalto M16. Presume-se que dois dos mortos haviam informado a agentesantidrogas o paradeiro de Auxiliador Dias de Sousa, umbrasileiro procurado por tráfico de drogas no Brasil, detido nasemana passada em território paraguaio. Dias de Sousa, apelidado de "Cartão", estaria ligado àfacção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), de SãoPaulo. "A hipótese que está sendo avaliada é que os autores (doscrimes) seriam deste grupo", disse Hugo Ibarra, diretor deSecretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai. O ministro do Interior paraguaio, Libio Florentín, afirmouque seu gabinete está investigando a chacina, mas mostrou-sepouco otimista sobre os resultados em uma zona que muitas vezesescapa do controle da polícia. "Não há possibilidade de controle efetivo ali, sãoquilômetros e quilômetros de fronteira seca", assegurou oministro. Logo após a prisão, Dias de Sousa foi levado a uma base deoperações do Senad e espera eventual pedido de extradição dogoverno brasileiro. (Reportagem de Daniela Desantis)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.