Nathalia Aguilar/EFE
Nathalia Aguilar/EFE

Paraguai notifica 12 novos contágios e tem 484 casos ativos de coronavírus

País registrou apenas 11 mortes até agora; queda nas infecções é acompanhada pela retomada controlada da atividade produtiva

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2020 | 18h18

ASSUNÇÃO - O número de casos ativos de coronavírus confirmados no Paraguai caiu nesta terça-feira, 26, para 484, apesar do registro de 12 novos infectados nas últimas 24 horas, todos provenientes do exterior, segundo informações divulgadas pelo Ministério da Saúde.

Ainda segundo a pasta, foram realizados 953 testes de ontem para hoje, e oito pessoas precisaram ser hospitalizadas com covid-19. Ao todo, desde o começo da pandemia no país vizinho, em 7 de março, houve 877 contágios por SARS-CoV-2, com 382 pessoas curadas e 11 mortes.

O Paraguai não tinha tão poucos casos ativos assim desde o último dia 8. A queda nas infecções é acompanhada pela retomada controlada da atividade produtiva, com um cronograma seletivo de setores e baseado no cuidado com a saúde para manter a crise sanitária sob controle.

Nesta segunda-feira começou a segunda fase da chamada "quarentena inteligente". Essa etapa da saída gradual do confinamento durará até 15 de junho, com a liberação de atividades físicas ao ar livre, programas culturais sem público e funcionamento de shopping centers.

Os escritórios corporativos poderão reabrir suas portas com metade do pessoal, e a restrição de circulação de veículos particulares foi removida, com esquema de rodízio.

No Paraguai, as fontes de contágio são atualmente os 48 abrigos criados pelo governo nas áreas de fronteira, a maioria em Ciudad del Este, segunda maior cidade do país e que está localizada na fronteira com o Brasil.

Vantagem

O isolamento geográfico do Paraguai, sem litoral e com tráfego aéreo pequeno comparado às grandes capitais da América do Sul, favorece muito a obtenção de resultados na luta contra o novo coronavírus, concordaram epidemiologistas e autoridades de saúde. 

"O fato do Paraguai ser cercado por terras é uma vantagem. Os casos positivos são quase todos do exterior. Há pouca detecção na comunidade", disse à AFP o epidemiologista Antonio Arbo, ex-ministro da Saúde. 

O relatório de segunda-feira registrou três novas infecções no país, num total de 865, e 11 mortes. O primeiro caso no país foi registrado em 7 de março.

Um mês antes, o governo cancelou vistos concedidos a cidadãos chineses e estrangeiros procedentes da China

As aulas foram suspensas, os voos comerciais foram proibidos e, em 17 de março, as fronteiras com o Brasil e a Argentina foram fechadas. 

"Se não agíssemos imediatamente, os cálculos mais conservadores indicam que teríamos mais de 15 mil casos", disse à AFP o ministro da Saúde, Julio Mazzoleni, que reconhece a vulnerabilidade do sistema.

O médico Ricardo Iramain, diretor do Comitê de Emergência da Sociedade Latino-Americana de Terapia Intensiva (Slacip), concordou que a conjunção "localização mediterrânea, isolamento e quarentena precoce foi decisiva". 

Arbo reconhece que "o colapso foi evitado", mas espera que o pico de circulação do vírus seja entre junho e agosto. "O pior que poderemos ver em dois meses", disse ele. 

A Organização Mundial da Saúde declarou na semana passada que a América do Sul é o novo epicentro da pandemia.

 "Insensatez brasileira"

Em relação à ameaça da multiplicação de casos no Brasil, país com o qual o Paraguai compartilha uma extensa fronteira, Arbo disse que "a insensatez brasileira em algum momento vai pagar seu preço". 

Com mais de 370 mil casos e 23.473 mortes até agora, o Brasil é o país mais afetado da América Latina. 

"A única coisa que salvaria o Paraguai seria manter suas fronteiras fechadas", disse Arbo. 

Em relação à Argentina, que soma mais de 12.600 casos e 467 mortes, ele disse que "tem uma média muito boa". 

Os paraguaios esperam mais de 25 mil repatriados nas próximas semanas. Todos os dias eles chegam da Argentina e do Brasil, principalmente porque perderam os empregos devido à pandemia. 

Eles são alojados em abrigos em uma "quarentena voluntária". Mas o perigo é o contágio. "Vários chegaram saudáveis e adquiriram a doença em abrigos", revelou Iramain. Felizmente, hotéis já foram disponibilizados para os quem chegam do exterior", acrescentou. /EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.