Paraguai prende 21 supostos extremistas islâmicos

Uma pessoa, de origem egípcia, ligada a Osama Bin Laden, principal acusado pelos ataques terroristas nos Estados Unidos, teria fugido do Paraguai nos últimos dias com destino ao Brasil, segundo informou ontem o jornal ABC Color, de Assunção. O egípcio seria um sacerdote que morava em Encarnación, na fronteira com a Argentina. Pelo menos 21 pessoas foram presas desde sexta-feira na fronteira do Paraguai com o Brasil, suspeitas de portarem documentos falsos e de ligações com grupos extremistas islâmicos.Três homens, de origem árabe, estão sendo considerados elos de ligação entre as comunidades locais e os grupos Hamas e Hezbollah, mas a confirmação só será feita após o interrogatório que está sendo feito em Assunção pelo procurador geral de Justiça paraguaio, Marcos Alcaraz. Conforme o jornal paraguaio, entre as pessoas procuradas no país estava o sacerdote egípcio, mas as investigações indicaram que ele mudou-se para o Brasil, mais precisamente para São Paulo. A Polícia Federal brasileira não foi informada sobre o egípcio.PrisõesA maior parte das prisões ocorreu porque os árabes supostamente portavam documentos de migração falsos, mas a polícia antiterrorismo paraguaia já teria também indícios de que alguns são ligados a grupos extremistas libaneses. Um dos indícios seriam papéis mostrando altas remessas de dinheiro para o Oriente Médio, uma informação que está sendo investigada pelas autoridades locais para saber o destino final dos recursos. Há também fotos mostrando presos com uniformes de grupos extremistas. A PF ainda aguarda informações dos colegas paraguaios para iniciar as investigações no Brasil.Três pessoas detidas, de origem libanesa, estariam com passaportes falsos e um, pelo menos, teria declarado três nacionalidades diferentes às autoridades paraguaias - libanesa, israelense e jordaniana - e passou a ser considerado um dos principais suspeitos de liderar uma célula regional do grupo Hamas. Autoridades do país admitem que as prisões podem continuar nos próximos dias.RevoltaEm Ciudad del Este e Encarnación, onde ocorreram as prisões e que têm comunidades árabes numerosas, o clima é de revolta por causa das prisões. Uma delas foi do comerciante de Bangladesh, Abdul Bari Mridha, que teria sido confundido com Adel Abdul Megid Abdel Bary, procurado pela Interpol em vários países. Abdul Mridha foi preso na sexta-feira, em Ciudad del Este.Outras três pessoas - a mulher Souzan Ali Kasttmar, Wissan Attoui Attoui e outro homem, cujo nome é desconhecido - teriam fugido para o Brasil e são igualmente procurados pela Interpol.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.