Paraguai prende mais dois brasileiros por atentado contra senador

Já são quatro os brasileiros detidos; polícia investiga ligação dos suspeitos com facção criminosa

BBC

28 de abril de 2010 | 16h36

BUENOS AIRES - A polícia da cidade paraguaia de Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Mato Grosso do Sul, prendeu nesta quarta-feira, 28, mais dois brasileiros acusados de participação no atentado contra o senador Robert Acevedo, segundo assessores do Ministério do Interior do Paraguai.

 

Veja também:

linkEPP e Farc teriam se reunido em território brasileiro

linkEstado de exceção não diminuirá crimes, diz Paraguai

linkSenador quer militarizar Pedro Juán Caballero

linkBrasileiros são presos por suspeita de participação

Com as prisões, sobe para quatro o número de brasileiros suspeitos de envolvimento com o atentado, ocorrido na segunda-feira em Pedro Juan Caballero.

Segundo o jornal paraguaio ABC Color, Josué dos Santos e Daniel dos Santos seriam ligados ao grupo criminoso Primeiro Comando Capital (PCC), o que não foi confirmado pelo Ministério do Interior. Na noite da segunda-feira, Nevailton Marcos Cordeiro e Eduardo da Silva haviam sido detidos também pela Polícia. 

A promotora do caso, Lourdes Peña, disse que está "trabalhando com várias hipóteses", entre elas a de que os detidos seriam traficantes e ligados ao PCC. "Tivemos uma conversa preliminar com o senador e começamos as investigações a partir de suas denúncias. Mas não há conclusões ainda", disse. 

A promotora informou que ainda é cedo para fazer qualquer afirmação e que é preciso mais tempo de investigação no caso. "Estamos na etapa inicial da apuração dos fatos. Temos seis meses para realizar a investigação", disse, por telefone, não descartando que outros brasileiros possam ser presos.

Outros suspeitos

Os dois suspeitos presos nesta quarta-feira foram levados para o Departamento de Investigações da cidade de Pedro Juan Caballero, no departamento (Estado) de Amambay. De acordo com a polícia, eles teriam sido presos quando tentavam chegar à casa de um suposto traficante de drogas em um carro Gol branco, mas não foram revelados mais detalhes da operação.

Os outros dois brasileiros já tinham sido presos também foram apontados pela imprensa paraguaia como integrantes do PCC, o que não foi confirmado oficialmente.

A rádio Ñanduti informou que soldados do Exército paraguaio e policiais realizam nesta quarta-feira operações conjuntas nas casas de supostos traficantes e de suspeitos pelo atentado contra o senador, que é do Partido Liberal, da base governista.

 

Visita

O presidente Fernando Lugo, acompanhado por um grupo de ministros, visitou o senador e vários locais de Amambay e dos outros departamentos nos quais, desde sábado, impera o estado de exceção.

A medida foi implementada por Lugo, após aval do Congresso Nacional, para capturar integrantes do grupo rebelde EPP (Exército do Povo Paraguaio).

De acordo com o governo, o grupo seria ligado às FARC (Forças Armadas Revolucionarias da Colômbia) e responsável pela morte de quatro pessoas na semana passada. Entre os mortos estariam dois brasileiros, de acordo com fontes do governo do Brasil.

Segundo a polícia, até o momento, não existem indícios de ligação entre o EPP e o crime contra o senador paraguaio.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.