Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

Paraguai rejeita exclusão de blocos regionais

País está impedido de participar da cúpula de presidentes do Mercosul nesta semana

estadão.com.br,

25 de junho de 2012 | 12h15

ASSUNÇÃO - Enquanto o novo governo paraguaio de Federico Franco rejeitou a exclusão do país da Unasul e da cúpula de presidentes da Mercosul a ser realizada nesta semana, o ex-presidente Fernando Lugo anunciou a vigência de um governo paralelo com a intenção de recuperar o poder.

Veja também:

linkNovo diretor paraguaio de Itaipu vai enviar mensagem a Dilma

linkLugo se reúne com ex-ministros para definir rumo da oposição paraguaia

linkCrise no Paraguai gera tensão e esvazia comércio na fronteira com Brasil

"Nós rejeitamos a decisão do Mercosul de domingo de suspender nosso direito de participar das reuniões do Mercosul, mas é claro que o Paraguai não está fora do bloco", explicou novo chanceler do Paraguai, José Félix Fernández Estigarribia.

Em princípio, Paraguai deveria entregar a liderança da Unasul ao Perú, em novembro. Mas depois do mal-estar dos países da região após o impeachment de Lugo, os presidentes do Equador e da Venezuela, Rafael Correa e Hugo Chávez, recomendaram que a transição fosse antecipada.

Fernández disse que a "rejeição à decisão do Mercosul é baseada em um acordo com regulamentos de que qualquer decisão contra um dos membros deve ser tomada na presença do país afetado". Segundo ele, Paraguai foi excluído da decisão.

Lugo foi deposto do cargo pelos senadores por mal desempenho nas funções dele, por 39 votos contra quatro que se opuseram ao impeachment e duas ausências. Franco completará o período de governo de cinco anos até 15 de agosto de 2013.

Com agências de notícias

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.