Paraguai tem menos pobres, afirma Banco Mundial

A pobreza diminuiu de 44% para 35% no Paraguai entre 2003 e 2009, enquanto a quantidade de pessoas em situação de pobreza extrema baixou de 20% para 18%, revela um relatório do Banco Mundial divulgado hoje. O documento, intitulado "Paraguai, determinantes e desafios para a redução da pobreza", afirma que "a desigualdade entre os mais ricos e os mais pobres diminuiu, mas num ritmo muito lento".

AE, Agência Estado

15 de junho de 2011 | 18h09

Com relação às relações de trabalho, o relatório ressaltou que "as mulheres e os jovens são os que menos têm possibilidades de emprego no Paraguai". O obstáculo continua sendo "a discriminação contra o gênero feminino na hora de conseguir emprego, enquanto os jovens têm um problema de educação".

Referindo-se ao déficit educacional, o Banco Mundial disse que "a abrangência escolar dos jovens entre 6 e 12 anos é quase universal (98%), mas, a partir dos 12 anos, é reduzida, chegando a menos de 50%. Em 2010, 360 mil jovens não tiveram acesso à educação média".

Embora o banco não tenha quantificado o número de pobres, o Banco Central do Paraguai afirma que a cifra está em milhões de indivíduos. A direção de estatísticas e censos, ligada ao palácio do governo, confirmou que em 2012 será feito um censo nacional de população e habitação com 6,3 milhões de habitantes. Os resultados serão divulgados em 2013. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.