Paramilitares rejeitam zona neutra para ELN

O principal líder paramilitar da Colômbia, Carlos Castaño, advertiu hoje ao presidente colombiano Andrés Pastrana que não permitirá a criação de uma zona neutra para discutir o processo de paz com os guerrilheiros do Exército da Libertação Nacional (ELN), a segunda maior guerrilha de esquerda do país, depois das Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc). Em uma carta dirigida a Pastrana, o líder paramilitar garante que seus homens, cerca de 8 mil integrantes, segundo cifras oficiais, estão dispostos a ?morrer para impedir a criação da área?. Cerca de 3 mil quilômetros quadrados do sul do departamento caribenho de Bolívar foram reivindicados pelo governo e pelo ELN para a criação de uma zona neutra, para negociações sobre a paz. Esta zona neutra seria a segunda criada pelo governo colombiano, depois que, em 1998, Pastrana declarou a saída das tropas de 42 mil quilômetros quadrados ao sul do país para as conversações de paz com as Farc.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.