Paramilitares unem-se a rebeldes no Haiti

Desafiando as ameaças de partidários do presidente Jean-Bertrand Aristide, cerca de mil ativistas da oposição realizaram neste domingo uma manifestação para protestar contra o governo, reforçados por paramilitares exilados, entre eles Louis-Jodel Chamblain, ex-soldado haitiano que liderou esquadrões da morte em 1987, e Guy Philippe, ex-chefe da polícia que foi acusado de fomentar um golpe contra o governo em 2002.Gritando "Fora Aristide!", membros da aliança oposicionista, conhecida como Plataforma Democrática, se uniram aos manifestantes dizendo não apoiar a violência, mas compartilhar do mesmo objetivo dos rebeldes - derrubar o presidente.A polícia dispersou parte da manifestação com bombas de gás lacrimogêneo. Apesar disso, o protesto prosseguiu pacificamente e terminou em uma praça, quando a polícia convenceu os líderes da manifestação a dispersarem seus simpatizantes por temores relativos à segurança.Ainda neste domingo, o presidente da República Dominicana, Hipólito Mejía, ordenou que as forças armadas detenham todo haitiano suspeito de fazer parte da revolta armada contra o presidente do Haiti, se forem encontrados cruzando a fronteira. Dois soldados dominicanos foram mortos no sábado na fronteira.Na Jamaica, a polícia deteve dez haitianos, entre eles oito policiais, que chegaram no sábado em um bote e pediram asilo político.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.